Book* Memórias de um Sargento de Milícias

Hello everybody! Como os dias das benditas provas estão bem próximos (para o meu profundo desespero, rs), TENHO que fazer a análise dessas obras da lista de leitura o mais rápido possível (me seguura que eu estou á todo vapor!), entãão... não liguem se eu postá-las uma atrás da outra em um curto período de tempo (:
Ou se eu dar uma sumida também, já que tem um moonte de coisas que estou tentando absorver para não passar vergonha no vestibular ( tenso#).
 Um dos livros da Literatura Brasileira que maais me deixou impressionada e que realmente fugiu ás minhas expectativas, revelando ser uma obra maravilhosa, foi Memórias de um Sargento de Milícias!
Vocês provavelmente também vão amar... ,já que esse livro foi o PRIMEIRO que teve como protagonista um malandro, rs! Pois é, o "herói" da trama é um cara-de-pau de primeira (ou melhor, de quinta categoria , rs...).
 Manuel quis inovar, pois os romances daquela época, sempre abrangiam temas sobre as classes mais afortunadas e o herói era sempre perfeito (HAAAHA, só em livros mesmo ¬¬'), idealizado.
Então, ele resolveu escrever um romance em que o herói (ou anti-herói como muitos dizem) é mu retrato vivo dos tipos populares (povão mesmo)  do Rio de Janeiro suburbano.
O autor conquista nós leitores, que nos deliciamos ao ler esse enredo recheado de ironia e sátira. Me diverti muito, lendo as peripécias de Leonardinho (o tal malandro, rs), ele é muito 171, que nem o Agostinho da Grande Família ou o Capitão Jack Sparrow de Piratas do Caribe, para vocês terem uma ideia.
O livro não é extenso e eu o li bem rápido..., porque queria saber o desfecho das confusões em que Leonardinho se mete. Percebi que nos últimos dois vestibulares da Unicamp, eles não fizeram nenhuma pergunta acerca de MMS (Memórias de um Sargento de Milícias), então... é bem provável que desta vez o façam (:
 MMS foi publicado em forma de novela de folhetim nos anos de  1852 e 1853, porém eles não indicavam quem era o autor (que absuuurdoo!). A história só  saiu em livro em 1854 (Vol. 1) e 1855 (Vol.2). Maas, a obra só incluiu o nome de seu real autor em sua 3ª edição (1863).. HAHA, e o Manuel já tinha falecido antes ¬¬'.
*A história: O livro resumidamente narra a história de Leonardo Pataca, um vadio que acaba se transformando num sargento de milícias no tempo de D. João VI (daí o porque do título).
A história está dividida em duas partes bem distintas: a primeira com 23 capítulos e a segunda com 25 (mas são breves esses capítulos \o). Os episódios são quase autônomos, só ligados pela presença de Leonardo, o que faz a obra parecer uma novela (realmente, assisti todos os capítulos, rs).
O enredo se segue... e o leitor acompanha o crescimento de Leonardinho, com sua infância rica em travessuras, a adolescência com as primeiras ilusões amorosas e aventuras, e o adulto, que, com o senso de responsabilidade, que essa idade exige, vai-se enquadrando na sociedade, o que culmina com o casamento (e não é que o malandro se endireita!).
O livro se inicia, com uma cena de Leonardo já idoso (50 years old \o) em que ele nos é apresentado pelo narrador  que , baseando-se em uma história contada por um sargento de milícias aposentado (Leonardinho), adota a postura de contador de histórias para narrar os costumes e acontecimentos de cinquenta anos atrás.
Esse narrador é muito engraçado e ele conversa diretamente com o leitor apontando e comentado as intrigas, os sucessos e os fracassos das personagens de maneira bem humorada!
Já no capítulo II ele nos convida a pular  alguns anos desde o batizado do herói até os seus sete anos, mas antes avisa:
 "Durante todo esse tempo o menino não desmentiu aquilo que já se anunciava, ou seja, desde o nascimento já atormentava: ainda bebê era o choro, mas assim que se pôs a andar era um flagelo, quebrava e rasgava tudo o que podia; o que mais gostava era do chapéu do pai e sempre que podia por-lhe as mãos, punha-lhe dentro tudo o que encontrava. Quando não traquinava, comia. Maria não lhe perdoava, tanto que o menino trazia uma região do corpo bem maltratada, mesmo assim ele não se emendava, era teimoso, suas travessuras recomeçavam mal acabava a dor das palmadas. Foi assim que o herói chegou aos sete anos." (pilantrinha desde pequeno, rs)
O autor tenta explicar o porque de tanta malandragem:  as dificuldades que ele tem que enfrentar, desde seu nascimento.., vejam só, o coitadinho é  abandonado pela mãe, que foge para Portugal com um capitão de navio, é igualmente abandonado pelo pai, mas encontra no padrinho seu protetor. Este é barbeiro, no entanto possui uma graaaande quantia de dinheiro ($_$) que ninguém sabe de onde veio (só sabemos isso no finaal,Hehe). Para explicar a origem do dinheiro, o barbeito diz: “arranjei-me”, desta forma o autor acaba por dizer que muitos “arranjei-me”, equivalentes ao atual “jeitinho brasileiro”, se explicam assim, e estende essa representação de sua história a toda a sociedade da época. Brasileiro sempree se arranja, sempre dá um jeitinho, incríveel!
HAHA, já dá para perceber de onde vieram as influências do Leo não é?
O padrinho deste, com infinita paciência, tenta encaminhar o menino na prática da religião para qual este não revela grandes pendores. Coloca-o na escola e o ensina a ajudar a missa. Se na escola ele se revela um péssimo aluno e colega, na Igreja da Sé, onde consegue ser sacristão, vê a melhor oportunidade para grandes travessuras, kkkk, ele "apronta uma" com o pobre do padre!! Faz com que este seja expulso da Igreja!!! #meninoatentado
 O barbeiro e a mulher bem que tentam encaminha-lo em uma profissão... maaas para o desgosto deles, Leonardo não demonstra qualquer interesse, prefere a vida livre da vadiagem e das brincadeiras(sem futuro, rs). E assim, vai passando... só vadeando...
Até que surge a figura do major Vidigal (HAHA finalmente alguém apaga o fogo do Leo) que juntamente com uma companhia de soldados escolhido por ele rondavam noite e dia. Não havia um lugar em que a sagacidade do major não caçasse vagabundos (Leo na mira!).
Leonardinho acaba sendo preso, mas graças ás suas artimanhas consegue se safar (ele sempre consegue!).
Vemos, o tempo deste na escola e o que aprontou nela... gente ele é terríveeel!!!
"Não parava quieto.
Nunca uma pasta, um tinteiro, uma lousa lhe durou mais de 15 dias, era um velhaco que vendia aos colegas tudo o que podia Ter algum valor, empregando o dinheiro que conseguia, do pior modo que podia."
Teatro Memórias de Um Sargento de Milícias
A partir daí, Leonardinho nunca mais volta á escola. Enquanto isso, sua madrinha se esforça para encontrar uma louca que case com o garoto, e encontra Luisinha filha de uma amiga dela..
O anti-herói se envolve com uma cigana, mas o romance não vinga..., Leonardo então passa a viver com Chiquinha (filha da parteira) e com ela tem uma filha *O*
Mas os dois se odeiam e acabam se separando...
Para o espanto do leitor, o malandro mostra-se apaixonado por Luisinha que desprezara antes, mas encontra um rival com quem disputá-la e desta forma, acaba desistindo.
Passa a vagabundear pelos subúrbios da cidade, quando conhece Vidinha, uma mulata, pela qual se apaixona imediatamente. Como Vidinha tinha outros pretendentes (muuuuuuuitos), cria-se grande confusão, o  major Vidigal (que vive perseguindo o 171) intervém e Leonardo consegue fugir, deixando-o furioso. Com a proteção da comadre, Leonardo entra para as hostes do major Vidigal, não revelando, naturalmente, grande amor por esta nova profissão e passando boa parte de seu tempo na prisão por indisciplina.Maas, para surpresa geral, Leonardo supera todas as adversidades, chegando ao posto de sargento de milícias \o/ (We are the champions♫♪)
E o final feliz se aproximava : José Manuel, o rival de Leonardo no amor por Luisinha, revela-se péssimo marido e, além do mais, morre providencialmente, deixando-a viúva e livre para casar com o sargento de milícias. Passando o tempo indispensável do luto, Leonardo, em uniforme da tropa, recebe Luisinha como mulher, na mesma igreja da Sé que fora palco de suas grandes travessuras como sacristão (e local de traumas para o pobre padre, rs). *-*
FINALMENTEE, ELE TOMA JEITOOOO!!!
Enfim gentee, esse livro é muuito bom.., tem uma linguagem bem simples, um narrador bem descontraído e irônico... e além do mais, as peripécias do "canastrão" Leonardo, são contagiantes! Manuel Antônio de Almeida (#arrasaa!) quis fazer uma crítica á sociedade daquela época, mostrando que muitas pessoas acabam se tornando vagabundas por conta das dificuldades que lhe são impostas, o descaso do Poder em relação aos menos afortunados.
Mas também, transmite a mensagem de que um "sem futuro" pode se regenerar e conquistar um final feliz, superando todas as adversidades da vida (:
*** Sobre os aspectos estéticos do livro:
* FOCO NARRATIVO: 3ª pessoa, onisciente (sabe de tuudo) e tem um cinismo bem-humorado, faz interferências nas situações sempre divertidas que relata, as ironias e as brincadeiras envolvendo costumes e personagens da época constituem alguns traços marcantes deste narrador, cujo juízo crítico a respeito do que vai documentando algumas vezes revela-se de forma claramente debochada (kkk, rachei#).

Além de romper com a tradicional postura idealizadora do narrador romântico, em relação aos indivíduos e também à terra, o narrador da obra ora suprime etapas narrativas, ora transita da terceira para a primeira pessoa. Assim, ele assume uma cumplicidade de caráter metalingüístico com o leitor, o que significa um anúncio de procedimentos modernistas, também percebido nas conversas com o leitor e nos comentários jocosos que faz à propósito do que conta.
* TEMPO: Não é cronológico,  pois possui digressões, é episódica , foge da história para comentar fatos paralelos ou para dar explicações sobre o próprio livro.
Se passa no começo do século XIX, tempo em que a família real portuguesa se refugiou no Brasil. Tanto é que o livro não se inicia com o famoso "Era uma vez..." e sim com: "Era no tempo do rei."
* ESPAÇO: Rio de Janeiro (a maioria das obras são retratadas lá), no subúrbio..., morada da classe média.

* PERSONAGENS: Não há idealização das personagens, mas observação direta e objetiva. Eles são : o povão mesmo, rs (barbeiros, comadres, parteiras, meirinhos, "saloias", designados pela ocupação que exercem). As personagens não são heróis nem vilões, praticam o bem e o mal, impulsionados pelas necessidades de sobrevivência (a fome, a ascensão social). São como caricatura de uma classe social: o povo, a classe média carioca da época.
*ARTIFÍCIOS DE LINGUAGEM: Tem um tom de crônica que dá leveza e aproxima da fala sua linguagem direta, coloquial, irônica e próxima do estilo jornalístico. Presença de diversas figuras de linguagem:  hipérboles, comparações, metáforas, perífrases, trocadilhos, metonímias, linguagens forenses, sarcasmos, barbarismos, etc.
Presença do humorismo, do ridículo e do burlesco, do narrador intruso (que o tempo todo se intromete para dar explicações, analisar fatos ou personagens e conversar com o leitor), do leitor incluso, com quem o narrador procura estabelecer conversação: 'Pôr estas palavras vê-se que ele suspeitaria alguma coisa; e saiba o leitor que suspeitara a verdade'.


*ESCOLA LITERÁRIA: Romantismo, porém como vimos, essa obra foge das características gerais dessa escola, pois apresenta características próprias. O estilo da obra, e do autor, apresentam tendências bem pessoais e marcantes, que só ele poderia ter inovado... e ousado inserir no livro, a obra foge completamente do idealismo romântico de sua época. MMS acaba sendo uma tendência ao Realismo que estaria por vir...


Livro em Quadrinhos (HQ) de MMS *-*

~* Boom, gente... Leiam , vale muito a pena...! É um livro puramente humorístico e bem parecido com novela. Venham conhecer as peripécias de um malandro que conseguiu seu final feliz (tudo bem que não foi de maneira muito honesta no meio do livro, maas ele se
 regenera e começa a andar na linha depois)!
* Links para estudo *
~* Análise COMPLETA da obra

- Guia do Estudante
-PasseiWeb

XoXo, Thay ;*

4 comentários:

  1. VC SALVOU MEU TRABALHO OBGGGG!!!!

    ResponderExcluir
  2. Ahhh que bom que eu ajudei!!!! Disponha (:

    ResponderExcluir
  3. ñ tem esse historia em quadrinho inteira ñ

    ResponderExcluir
  4. Tem siim !! Aí vai o donwload do livro em quadrinhos: http://www.4shared.com/office/FZ1YOTNq/HQ_-_Memrias_de_um_Sargento_de.html

    ResponderExcluir