Book* Vidas Secas - Graciliano Ramos

Hello everybody \o/
Hoje atendendo ao pedido da minha "amora" Juh ♥, vou postar a resenha do livro Vidas Secas, de Graciliano Ramos
*-*
Mesmo porque , ele é  de fato, o terceiro na minha lista de preferidos do vestibular! Ao ler algumas provas, eu percebi que sempre cai alguma questão relacionada á essa obra, então acho muuito importante ter um bom conhecimento acerca dela. Quando li o título Vidas Secas na lista de leitura, logo remeti-o á alguma  história sobre: o Nordeste, as secas, fome, tristeza ;  e assim,  me senti profundamente receosa de lê-lo rs (eu e meu pavor em ter que ver coisas desagradáveis acontecendo aos seres vivos da Terra). Me disseram que o livro era mesmo sobre o que eu imaginara, então fui deixando-o para ler por último.
Querendo comprovar a veracidade dos comentários, logo fui pesquisar sobre ele e então vi que realmente se tratava da história de vicas secas... no sertão. Porém, ao ler uma resenha reparei que o enredo do livro possuía semelhanças com o começo da novela Senhora do Destino (Globo), em que uma retirante de Pernambuco juntamente com seus filhos e sua cadelinha inseparável, chamada Baleia vão tentar a vida na Cidade Grande. Isso instigou minha curiosidade... (aah a novela era legaal *--* Rs, e olha que eu nem sou noveleira u_u) Rs.
 Então, certo dia, resolvi encará-lo e quem diria... Vidas Secas foi um dos livros que mais prendeu a minha atenção! Ouvi comentários de que a leitura era entendiante, visto que se tratava da caminhada de retirantes pelo sertão..., mas pelo contrário, a leitura é recheada de acontecimentos interessantes!
Este, foi também, um dos livros que li mais rápido (veja só o quanto fiquei fissurada neele!) e mais uma vez "paguei a língua", observando que julgara errôneamente essa obra incrível de Graciliano Ramos.
E também pude perceber, porque é que os vestibulares sempre exigem algo sobre Vidas Secas.

Sabe por quê? HAHA, é o que você irá descobrir com a minha resenha (:
O livro foi escrito há pouco tempo, em 1938 (Rs, ok, não foi há tão pouco tempo assim .., nem meu avô era 
nascido!)... um ano antes da eclosão da 2ª Guerra Mundial *O*
* A história: Vidas Secas, como o título já sugere..., conta a história da caminhada de uma família de retirantes sertanejos pelas terras da caatinga castigadas pelas secas. O livro começa, apresentando ao leitor, os membros desta humilde família..., conhecemos então, Sinhá Vitória (a mãe), Fabiano (o pai), os dois filhos deles (os quais não tem seus nomes citados), o papagaio e a GRANDE estrela do romance: Baleia (a cadelinha).
 Graciliano, discorre sobre as personagens através de capítulos próprios para cada um deles e o primeiro capítulo do livro que ele escreveu  foi o chamado Baleia, isto porque o autor queria escrever originalmente uma história acerca da dita cadelinha, mas acabou criando um roteiro mais abrangente.
O menino mais novo e Baleia *-*
 O  livro é bem curto, dotado de 13 capítulos... escritos de maneira clara, com uma linguagem extremamente simples e é  isto o que nos faz querer ler mais e mais.
Entramos em contanto com os pensamentos, o cotidiano de pessoas humildes que veem como luxo, uma cama feita de couro e sentem-se satisfeitíssimos com um mero pedaço de carne seca. O livro nos faz enxergar o valor que as coisas simples tem.Basicamente, se  trata da trajetória da família, tentando fugir da miséria da seca, sempre caminhando... e buscando encontrar um lugar para sobreviver.
Durante a história, são contadas várias situações que a família enfrentou, lembraças tristes e alegres também.Você acaba se encantando com a simplicidade dessa gente, eu ficava rindo feito boba, quando lia a respeito dos sonhos de uma vida melhor que eles tinham..., não sonhavam com aquilo que estamos acostumados á sonhar, como por exemplo, uma mansão (rs, nada mal hein!?)... muito pelo contrário! Sinhá Vitória sonha com uma cama de couro, o filho mais velho tem o sonho de ter um amigo (*-*) e Fabiano em ser um grande e respeitado vaqueiro! (seguuuuuura peão \o Rs), enquanto que a cachorra Baleia sonhava em ter fartura, com muuitos preás para comer, á disposição, rs.  Vejaam:
A nostalgia de Sinhá Vitória:  "Sinhá Vitória, queimando o assento no chão, as moas cruzadas segurando os joelhos
ossudos, pensava em acontecimentos antigos que não se relacionavam: festas de casamento, vaquejadas, novenas,
tudo numa confusão."
Os devaneios de Fabiano: "Sinhá Vitória vestiria uma saia larga de ramagens. A cara murcha de sinhá Vitória remoçaria, as nádegas bambas de sinhá Vitória engrossariam, a roupa encarnada de sinhá Vitória provoca ria a inveja das outras caboclas ... e ele, Fabiano, seria o vaqueiro, para bem dizer seria o dono daquele mundo... Os meninos se espojariam na terra fofa do chiqueiro das cabras. Chocalhos tilintariam pelos arredores. A caatinga ficaria verde."

O primeiro capítulo nos mostra uma imagem de como é o cenário em que eles vivem e o sofrimento pelo qual  passam, também aborda a relação entre a família, que é bem deficiente... eles quase não se comunicam durante o livro inteiro, mas pode-se perceber o amor sincero que um possui pelo outro e pelos animais de estimação também.
Nos seguintes capítulos , as personagens são apresentadas e assim podemos conhecer um pouco de cada uma.

Graciliano fez um capítulo dedicado á cada um de modo á apresentá-los separadamente , justamente para indicar o quanto eram afastados um do outro, tendo uma vida particular e solidão.
Logo percebemos que Fabiano é quieto, "bem na dele"... um pouco bruto, tem consciência de que mal sabe falar,
mas admira os que possuem conhecimento e no final das contas acha que ele mesmo não passa de um bicho.
Vemos que este, tem apego á vida no campo e pelos costumes sob os quais foi criado, sentindo certo receio em
relação á cidade e tudo o que diz respeito á civilização.Para piorar,  o coitado ainda se mete em uma confusão que acaba deixando-o ainda mais repugnado com a zona urbana.
Oook, eu conto o que houve com ele! Fabiano acaba sendo preso na cidade, por conta de uma grande injustiça....
que não passa de preconceito, mostrando  o descaso do governo em relação aos retirantes.
Durante toda a obra, Graciliano utiliza a comparação constante entre Homem - Animal há uma zoomorfização e
antropomorfização (MEU DEUS O QUE É ISSO?Rs),  siimples , zoo é quando algo há uma transformação do Homem em animal e antropomorfização é o contrário, animal vira Homem. (:
Vemos isto, diante da comparação entre Sinhá Vitória e o papagaio (rs e olha que ela neem fala tanto assim!) e  na
convivência entre os humanos da família com a cachorra Baleia e o modo como eles são tratados, sendo desprezados por sua condição.
Outra coisa interessante que comprova isto, é o fato de que os dois filhos do casal protagonista não possuem nome,
são conhecidos como : o filho mais velho e o filho mais novo, sendo que até a cachorra possui um nome.Podemos fazer uma analogia e observamos então, que há uma acentuação da ideia de que a família é considerada tão medíocre, a ponto de um animal ter nome próprio e as crianças ,não.
 Fabiano fica desiludido e deixa de sonhar... prossegue na rotina: trabalhar, dormir.
Por outro lado, Sinhá Vitória é a personagem que melhor articula expressões e palavras, pois possui maior tempo
para pensar e devanear. Ela é realmente inteligente, porque consegue descobrir que o patrão do marido está "lhe passando a perna" em relação á remuneração que ele recebe.
O menino mais novo admirava o pai, via-o como um herói e queria ser como ele quando crescesse *-* (owwn que
foofs). Vejam vocês mesmo:
"Evidentemente ele não era Fabiano. Mas se fosse? Precisava mostrar que podia ser Fabiano."
"Ele precisava crescer ficar tão grande como Fabiano, matar cabras à mão de pilão, trazer uma faca de ponta na cintura. Ia crescer espichar-se numa cama de varas, fumar cigarros de palha, calçar sapatos de couro cru." Entretanto, o filho mais velho: "Tinha um vocabulário quase tão minguado coma o do papagaio que morrera no tempo da seca. Valia-se, pois, de exclamações e de gestos, e Baleia respondia com o rabo, com a língua, com movimentos fáceis de entender Todos o abandonavam, a cadelinha era o único vivente que lhe mostrava simpatia."
  O menino sonha em ter uma amizade, um amigo com quem conversar e faz da cadela Baleia... essa fonte de
amizade:
"O menino continuava a abraçá-la. E Baleia encolhia-se para não magoá-lo, sofria a carícia excessiva."(Rs, coitadinha da Baleia, este garoto está parecendo aquela Felícia do desenho da Loonney Tunes HAHA).
   E então..., chega o Natal  e a família vai até a cidade para uma festa, mas lá ... ao entrarem em contato com os
habitantes desta, se sentem humilhados, como se não fossem nada diante daquela gente, como se fossem ridículos.E nesta festa, percebem o quão distante estão daquelas pessoas..., o quanto o modo de vida deles é degradante.
 Neste ponto, Fabiano tem toda a sua  esperança minada:
"Fabiano roncava de papo para cima... Sonhava agoniado... Fabiano se agitava. soprando. Muitos soldados amarelos

tinham aparecido, pisavam-lhe os pés com enormes retinas e ameaçavam-no com facões terríveis."  É de dar dó mesmo!
Maas, enfim... chega o capítulo que eu mais gostei do livro, o thebest#;
O nome do capítulo é : Baleia e mostra como se deu a morte da pobrezinha (sniff).
A cachorra adoece e isto causa muita dor nos membros da família:
"Ela era como uma pessoa da família: brincavam juntos os três, para bem dizer não se diferenciavam..."
*--------* Chorei litros de lágrimas neste capítulo....!!!
E aí, Graciliano mostra sua genialidade em uma inovação incrível! Ele conta a cena sob o ponto de vista de ninguém
mais , ninguém menos do que a própria cadelinha!
Baleia espera a morte, sonhando que irá para um lugar bom depois que morrer (aah essa parte é a TheBest# *-*)
"Baleia queria dormir Acordaria feliz, num mundo cheio de preás. E lamberia as mãos de Fabiano. um Fabiano
enorme. As crianças se esposariam com ela, rolariam com ela num pátio enorme, num chiqueiro enorme. O mundo ficaria todo cheio de preás gordos, enormes."E percebam? a cachorra sonhaa! E sonha mais do que o próprio Fabiano!
O enredo segue com o desapontamento de Fabiano sobre o patrão e á uma situação em que ele e a esposa reflentem
juntos sobre a vida e então, o livro termina com uma mescla de sonhos, descrenças e frustrações... de sertanejos entregues á mercê da vida, mas que acima de tudo... são seres humanos com coração e corações nunca deixam de ter esperança em um dia, alcançarem a plenitude da felicidade (:
Este livro me ensinou muuuuito, me fez enxergar a vida com outros olhos, a valorizar a água..., minha cama (não é de
couro ok, mas dá para quebrar o galho, rs), minha casa , os alimentos e tudo o mais!
E , conhecer os pensamentos e os fatos acerca de pessoas simples da caatinga é uma experiência maravilhosa!
Vale muito a pena ler! Vocês vão ler em pouquíssimo tempo, tenho certeza!


~* E aí vai a ficha de Análise Técnica:
* FOCO NARRATIVO: 3ª Pessoa! Graciliano quis que a história fosse vista sob os olhos de um narrador que

conhece os pensamentos das personagens, e também porque nenhum dos membros da família tinham condições (e vocabulário)para narrar a jornada. Mas ele também utilizou o discurso indireto livre de forma híbrida, ou seja... um discurso simples em se que mistura o discurso do narrador com as falas das personagens. 
* TEMPO: Não segue uma ordem cronológica , pois o autor preferiu a  valorização do tempo psicológico, em detrimento do cronológico. A história é escrita sem seguir uma ordem no tempo e esta é mais uma coisa que mostra o quanto as personagens são marginalizadas, a ausência de tempo na estrutura da obra, revela a exclusão das personagens, pois expressa que eles nem ao menos tem uma linha de tempo, como a civilização.
Porém, a valorização do tempo psicológico na narrativa faz com que as angústias dos personagens fiquem mais próximas do leitor, que as percebe com muito mais intensidade ("bota" intensidade nisto, esse livro me tocou profundamentee!).
* ESPAÇO: O cenário é (comoo já estão cansados de saber) o sertão, marcado pela seca que somada a uma política de descaso do governo com os investimentos sociais – transforma a paisagem em ambiente inóspito e hostil.As personagens sonham com o fim da seca, com uma vida melhor ... e quando a chuva vem, eles reacendem a esperança, que por sua vez,vai embora, quando esta também se vai. Mostra também, que o indivíduo do meio rural se sente "um peixinho fora d'água" diante da cidade.
* PERSONAGENS: HEHE, já falei sobre este tópico na resenha =) !
*ARTIFÍCIOS DE LINGUAGEM: Graciliano é monster# na arte de usar artifícios de linguagem para transmitir a ideia central do livro! Usou, como vocês leram na resenha, vários instrumentos para mostrar a marginalização das personagens. Ele possui um estilo seco de escrever e isso colaborou para demonstrar o quão seca é. tanto a vida das personagens, como a própria personalidade delas.
Ele usou uma linguagem simples, para mais uma vez acentuar a simplicidade dos retirantes e também usou cores e adjetivos para desenhar o cenário do romance. A obra é toda fragmentada, como já sabem... não tem ordem cronológica, ora é um acontecimento, ora é uma descrição..., expressando também a condição dos sertanejos, como sendo nômades... ou seja, sempre vagando pelo sertão, sem ter uma casa fixa.

*ESCOLA LITERÁRIA: Vidas Secas pertence á  Segunda Fase Modernista, a do regionalismo. O diferencial desse livro para os demais da época é o apuro técnico do autor. Graciliano Ramos, ao explorar a temática regionalista, utiliza vários expedientes formais – discurso indireto livre, narrativa não-linear, nomes dos personagens – que confirmam literariamente a denúncia das mazelas sociais e todos aqueles outros artífices .
Essa fase do Modernismo no Brasil, tinha exatamente esse propósito..., relacionar o indíviduo com o ambiente em que ele vive..., mostrando como ele é preso á este e o quanto é por ele influenciado.


Enfim, pessoaaal, leiaaam que vocês vão terminar a leitura, vendo o mundo com os outros olhos e achando que sua vida é MA-RA-VI-LHO-SA! É como dizem: tem sempre alguém em pior situação que nós!
Depois que terminei de ler... fiquei me sentindo muito grata por ter tudo o que tenho, achando que eu era a mais sortuda das criaturas , rs  (:


* Links para estudo * ~* Análise COMPLETA da obra
-
Guia do Estudante
 - Passei Web
- Vestibular Uol 


Até a próximaaa *----*

XoXo, Thay ;*






 



2 comentários:

  1. Obrigada Amora ♥ Suas resenhas são ótimas!!! Te Amo ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh que bom que está gostando, amora! Espero que te ajude! Também Te Amo muito <3

      Excluir