Books* Hamlet - William Shakespeare

Hi my lovely readers! Como estão, aproveitando bastante o feriado (super merecido, rs)??
Enquanto descansamos aqui, curtindo a vida boa ... há 219 anos, Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes era executado de maneira muito cruel, por ter expressado sua opinião e lutado pelos seus direitos. Ele é um VERDADEIRO HERÓI, Tiradentes, você é demais! Sou sua fã \o
Voltando a 2011... hoje foi um dia legal, fui ao supermercado lotado com meu avô e meu tio, comprar peixe e enquanto eles escolhiam camarões, eu ficava observando as pessoas (adoro observar *-*), olhando as novidades em ovos de páscoa deste ano (apesar de que não comerei chocolate , haha #alouca) e pensando nas minhas tarefas de feriado/fim de semana.
Enquanto isso, jazia no banco do carro lá no estacionamento, o livro Hamlet, do THE*BEST Shakespeare aguardando a minha volta, para que eu o lesse.
Tal livro, está no cronograma de leitura para a aula de Teoria da Literatura, então peguei-o na biblioteca da universidade para ler hoje.
Já lera Hamlet duas vezes, mas quis ler mais uma para reforçar, e relembrar a história.
Hamlet me deixa brava, ele "me dá nos nervos!", mas adoro a obra *O* Shakespeare realmente é genial.
Por isso, vou fazer a resenha para vocês, de tal livro (que na verdade é uma peça teatral) *-*
Be or not to be? Caveirinha esquisita
Fiquei muitíssimo inspirada com ele... Quando eu tinha uns 14 anos, fiz uma análise crítica de Hamlet a reli hoje e ri muito do que escrevi, como eu era boba! Mas devo admitir, que conservo o ponto de vista daquela época, até hoje, hihi.
Então, façamos assim... eu conto a história do livro para vocês, mostro minha análise feita no auge da adolescência, rs e escrevo uma nova, atualizada, agora com 17 anos (quase 18, Je-sus!).
Bem, todos já ouviram algum dia falar de Hamlet, pois é uma obra clássica! 
Trata-se de uma peça teatral provavelmente escrita em 1600/02, pelo gênio inglês William Shakespeare *-* 
A peça conta a história de Hamlet, o príncipe da Dinamarca, que encontra-se em uma situação complicada, seu pai acabara de falecer e a mãe havia (sem grande espaço de tempo) casado-se com o irmão de seu pai. Este então, acaba se tornando o rei, ocupando o lugar do falecido pai de Hamlet, tanto no trono, quanto no coração da mãe do rapaz. Além de tudo, a Dinamarca encontra-se em estado de alerta, temendo a invasão pela vizinha Noruega, já que o príncipe Fórtinbras quer vingança, depois de um conflito com o pai de Hamlet.
Wagner Moura como Hamlet
O livro se inicia,  em uma  noite fria no Castelo de Elsinore, o Castelo Real Dinamarquês. A primeira cena, mostra  sentinelas tentando convencer Horácio, amigo do Príncipe Hamlet, de que viram o fantasma do rei morto. Até que o próprio fantasma surge diante do homem o que, obviamente deixa-o espantado. Ele sente-se na obrigação de contar a Hamlet o ocorrido e desta forma à noite, o rapaz acaba por encontrar-se de fato com fantasma  do pai. O espectro diz a Hamlet que é o espírito de seu pai morto, e revela que Cláudio, o seu tio, assassinou-o enquanto ele dormia nos jardins, despejando um líquido venenoso em seus ouvidos. Revelando ao rapaz o verdadeiro objetivo e caráter do tio-pai.  O fantasma então pede que o filho vingue sua morte; este concorda, A partir daí, mesmo com dúvidas em relação à veracidade da afirmação do espírito, Hamlet passa a sentir-se atormentado por sentimentos diversos, ele entra em uma depressão horrível, rs, perturbadíssimo... ele consegue ME superar \o
Haha, O inferno está vazio, todos
os demônios estão aqui, sim, esses
maldosos seres humanos!
Todos começam a pensar que Hamlet está louco (kkkkk, eu achei que ele era, de fato, no começo Oo), ele sustenta tal ideia, fingindo sua loucura. Quando na verdade, está "apenas" amargurado e com pensamentos do tipo: ah eu sou um asno (juro que ele utiliza exatamente este termo, asno, rs e eu tive que concordar com ele, haha). Cláudio e Gertrudes, começam a ficar preocupados com o estado em que Hamlet se encontra, e querem de todo o jeito descobrir o motivo de tal comportamento. Bem espertos, rs, eles convidam dois amigos do rapaz para passar uns dias no castelo, dando ordem a  Rosencrantz e Guildenstern de descobrirem o porque das doidices do jovem príncipe. Enquanto isso, temos o amor de Hamlet pela bela Ofélia, filha de Polônio, best friend forever (e conselheiro-chefe) do seu "tio querido". O pai da moça a proíbe de corresponder aos sentimentos do rapaz. E sendo assim, Ofélia e Polônio creem cegamente na ideia de que a loucura de Hamlet é causa pela paixão avassaladora pela jovem.
Ficheiro:2934243350 204ba799eb.jpg
Estátua de Hamlet na Inglaterra *-*
Hamlet é esperto (em raras partes da peça ¬¬'), em uma delas, ele acaba percebendo as reais intenções de Rosencrantz e Guildenstern e não revela nada a eles.
A oportunidade para que Hamlet descubra se o espírito de seu pai falou a verdade ou não, surge quando um grupo de atores vai ao castelo encenar uma peça para eles.
O jovem, então arma um plano..., pede que os atores encenem a história contada pelo fantasma do rei falecido, de modo a observar a reação de seu tio.
Esse pessoal, adora elaborar um plano! Sua mãe Gertrudes, Cláudio, Ofélia e Polônio visando observar se a loucura de Hamlet é por amor, armam uma cena para que o rapaz encontre Ofélia e ficam ouvindo escondidos o que ele diz. Haha, eles "caem do cavalo", se sentem desapontados , quando Hamlet diz à moça que já a amou, mas que já não ama e até mesmo insiste para que ela vá para um convento! Rs.
É chegada a hora do espetáculo, toda a corte se reúne para assistir a peça (secretamente elaborada por Hamlet),  e diante de toda a história, Cláudio acaba "se denunciando", este ,  fica "muito pálido, e ergue-se cambaleante", deixando claro que o que o espectro dissera era verdade.
"Tremendo na base", morrendo de medo de ser desmascarado, o rei manda levarem Hamlet para a Inglaterra, para que trate sua insanidade (que é vista como um perigo à Dinamarca).
Antes disso, Hamlet vai ter uma séria conversa com sua mãe, no caminho até o quarto da rainha, ele encontra Cláudio rezando (haha, ficou com medo... a consciência culpada), e fica tentado a matá-lo, mas não faz isso porque sabe que o tio seria enviado ao céu, se fosse assassinado rezando, rs.
 Hamlet e Gertrudes, discutem feio! Ele diz tudo o que até então não tivera coragem de dizer e a rainha sente-se ofendida, não acreditando em uma única palavra do que o filho diz. Toda esta conversa fora armada por Cláudio, que queria descobrir tudo o que Hamlet sabia, incubindo a Polônio que ficasse ouvindo  o diálogo, atrás das cortinas. Mas, haha, Polônio "se lasca", Hamlet ouve um barulho feito por ele e pensando ser um rato, acerta-o com a espada, matando-o.
A partir daí, tudo fica contra Hamlet, rs. Ele é enviado a Inglaterra e aumenta sua dissimulação, parecendo mais louco ainda. Ofélia fica verdadeiramente louca, após a morte do pai e acaba morrendo afogada.
Para piorar a situação, o irmão da moça, Laertes, que até então estava na França, volta à Dinamarca querendo vingar a morte do pai (ô povo que gosta de vingança, cruzes).
Cláudio, esperto como ele...só, "coloca lenha na fogueira" e incita Laertes a matar Hamlet. Só que Claúdio se dá mal again, porque Hamlet (espertinho de novo, hehe) foge do navio que o levaria para a Inglaterra e volta para sua casa. O que deixa Cláudio furioso! 
Rapidamente Cláudio propõe a Laertes uma luta de espadas entre ele e Hamlet onde o primeiro dos dois utilizará uma espada envenenada, sendo que na ocasião será oferecido ao príncipe uma taça de vinho com veneno, se o "plano A" falhar. 
Ficheiro:Polonius.jpg
Polônio em vitral
Vemos então, uma cena em que Hamlet aparece contando tudo o que descobrira a Horácio, os dois seguem para um lugar onde ficam as covas dos mortos, quando o cortejo fúnebre de Ofélia aparece liderado por Laertes. ao saber da morte da amada, o jovem perturbado, pula no caixão e declama mensagens a moça falecida, então ele e Laertes se investem em luta, na cova, dizendo amar Ofélia, mas o conflito é separado pelos demais. É prometida a tal luta, planejada pelo rei.No regresso a Elsinore, Hamlet conta a Horácio como escapou do destino  a qual seu tio o mandara, conta que descobrira uma carta mandada por Cláudio dizendo que era para executarem-no.Daí acontece a cena mais intensa de todas, a hora da batalha entre Laertes e Hamlet.O rei, como planejou anteriormente, separa a taça envenenada e deposita dentro do líquido uma pérola, oferecendo-a a Hamlet, que deixa a bebida para depois. Hamlet vence o primeiro e o segundo assalto, e a rainha toma a taça envenenada, "bebendo a sua sorte". Tudo acaba dando errado.
Ficheiro:Arthur Hughes - Ophelia (Second Version).JPG
Ofélia
 A rainha confessa que morre por conta do veneno, enquanto Laertes revela que o rei é o culpado de toda a infâmia. Ela então morre envenenada, Hamlet mata Laertes, que faz o mesmo com Hamlet que por sua vez, acaba por fazer o que tanto cria: acabar com a vida do rei, vingando a morte de seu pai. A parte que mais achei emocionante, foi a que Laertes, morrendo aos poucos, despede-se de Hamlet, e ambos perdoam-se.  Horácio diz que será fiel ao príncipe morrendo junto com ele, mas este não permite tal loucura, tombando para trás e dizendo que a eleição para sucessores do trono será vencida certamente por  Fórtinbras. Hamlet morre, dizendo "O resto é silêncio." Fórtinbras invade o castelo com seu exército e ordena que "quatro capitães conduzam Hamlet como um soldado, para o cadafalço". Os soldados carregam o corpo do príncipe; soa a marcha fúnebre, e depois uma salva de canhões.
Ser ou não ser, eis a questão! Be or not to be, that's the question!! A frase mais famosa dita por Hamlet *-*O livro é simplesmente genial, incrível mesmo!Ele  pode ser analisado e interpretado por diversas perspectivas. A obra de Shakespeare é universal, porque aborda o ser humano em si, seus pensamentos e instintos, no caso de Hamlet, ele desenvolve a questão do sentimento de vingança, mostra as complexas questões éticas e filosóficas que cercam o assassinato a sangue-frio, resultado de uma vingança calculada e um desejo frustrado, ao revelar os pensamentos de Hamlet. 
Esta é a peça mais longa de Shakespeare, e provavelmente a que mais trabalho lhe deu,mas encontrou nos tempos um espaço que a consagrou como uma da mais poderosas e influentes tragédias em língua inglesa: durante o tempo de vida de Shakespeare, a peça estava entre uma das mais populares da Inglaterra e ainda figura entre os textos mais realizados do mundo, no topo, inclusive, da lista da Royal Shakespeare Company desde 1879. Escrita para o Lord Chamberlain's Men, calcula-se que sobre Hamlet já se escreveram cerca de 80.000 volumes, muitos deles certamente são obras de grandes nomes que foram influenciados pela tragédia shakespeariana, como Machado (*-*), Goethe e Dickens. *O*
Hamlet inclui questões da Psicanálise, filosofia, religião e política. Shakespeare nos passou muitas mensagens através dessa obra. Imaginem a quantidade de críticas e estudos feitos sobre esta! São muitas análises que revelam várias coisas interessantes sobre o enredo que é recheado de curiosidades.
EU, vou mostrar a vocês, a minha humilde análise feita aos 14 anos (na flor da idade, rs). Vejam Hamlet sob a perspectivas de uma jovem (precocemente amadurecida) de 14 anos de idade, no próximo post.


"Ser ou não ser, eis a questão: será mais nobre
Em nosso espírito sofrer pedras e setas
Com que a Fortuna, enfurecida, nos alveja,
Ou insurgir-nos contra um mar de provocações
E em luta pôr-lhes fim? Morrer.. dormir: não mais.
Dizer que rematamos com um sono a angústia
E as mil pelejas naturais-herança do homem:
Morrer para dormir... é uma consumação
Que bem merece e desejamos com fervor [...]"

O mais legal, foi descobrir que a peça inspirou Tom Jones de Henry Fielding, que adoro e também A Cartomante e Memórias Póstumas de Brás Cubas do meu ídolo Machado de Assis! *-*
Até tu, menino maluquinho!!?
Enfim, gente, Hamlet é tema para muitas conversas, há filmes, peças de teatro, o post seria infinito (hipérbole, rs, mas é +/- isso mesmo)... O que realmente acho que Shakespeare quis transmitir à sociedade é que a vingança é um sentimento perigoso e destruídor. (: Não devemos deixar tão emoção dominar nossos corações, ser vingativo é que é tolice, loucura... Devemos saber perdoar, é claro que não podemos "engolir" desaforos, mas não podemos deixar que isso afete nosso coração e traga sentimentos ruins à nossa alma. Ouviu alguma coisa má  a seu respeito, foi traído? Não fique guardando mágoas, abra os olhos, encare a realidade e siga sua vida, deixe para lá aquele que te fez mal, a melhor vingança é o desprezo.
Não traga para dentro de si, a amargura, viva feliz agindo sempre com justiça, bondade, verdade e tenha absoluta certeza de que Deus vê tudo e não deixa impune o ímpio (:


~* Links
- Muito + sobre Hamlet (AQUI)


XoXo, Thay ;*

3 comentários:

  1. Confesso q Hamlet não é minha preferida dentre as obras de Shakespeare, mas é inegável o aprendizado que se pode conseguir a partir dela, e a beleza de sua forma *-*

    Mas, se for pra falar de Shakespeare, "Sonho de Uma Noite de Verão" é a MINHA TOP *-* amo, amo, amo...
    E em segundo, "A Tempestade" e "O Mercador de Veneza" estão empatados no meu encantamento :D

    ResponderExcluir
  2. Olá, Thaís!

    Gostei bastante da sua resenha, Shakespeare é sensacional!
    Concordo com a Pamela, "Sonhos de Uma Noite de Verão" é muito top! ahhahaah

    Beijoss
    ;**

    ResponderExcluir
  3. Ahhh que bom que você gostou Tami! Siim, Shakespeare é demais!! Adoro Sonhos de Uma Noite de Verão, A megera domada, O mercador de Veneza, Noite de Reis, rsrsrs,enfim... todos! kkk \o

    ;*

    ResponderExcluir