Letters* Relaxa

Hi my readers!!! E lá vem o feriado, espero que vocês possam aproveitá-lo da melhor maneira possível! Para ajudar nesta missão, compartilho com vocês um escrito de Caio Fernando Abreu, que nos dá a receita para ter não apenas um feriado..., mas uma vida feliz e sossegada.


"Tô me afastando de tudo que me atrasa, me engana, me segura e me retém. Tô me aproximando de tudo que me faz completo, me faz feliz e que me quer bem. Tô aproveitando tudo de bom que essa nossa vida tem. Tô me dedicando de verdade pra agradar um outro alguém. Tô trazendo pra perto de mim quem eu gosto e quem gosta de mim também. Ultimamente eu só tô querendo ver o ‘bom’ que todo mundo tem. Relaxa, respira, se irritar é bom pra quem? Supera, suporta, entenda: isento de problemas eu não conheço ninguém. Queira viver, viver melhor, viver sorrindo e até os cem. Tô feliz, to despreocupado, com a vida eu to de bem."
                              Caio Fernando Abreu


Também mostro para vocês o poema que citei ao falar do filme A fera (AQUI). 

    Uma Coca-cola com Você
    é ainda melhor que uma viagem a San Sebastian, Irun,Hendaye, Biarritz, Bayonne ou que ficar enjoado na Travessera de Gracia em Barcelona em parte porque nessa camisa laranja você parece um São Sebastião melhor e mais feliz em parte porque eu gosto tanto de você, em parte porque você gosta tanto de iogurte em parte por causa das tulipas laranja fluorescente contra a casca branca das árvores em parte pelo segredo que nos vem, ao sorriso perto de gente e de estatuária é difícil quando estou com você, acreditar que existe alguma coisa tão parada, tão solene, tão desagradável e definitiva como estatuária, quando bem na frente delas na luz quente de Nova York, às quatro da tarde nós estamos indo e vindo, de um lado para o outro, como a árvore respirando pelos olhos de seus nós e a exposição de retratos parece não ter nenhum rosto, só tinta. De repente você se surpreende que alguém tenha se dado ao trabalho de pintá-los, olho pra você e prefiro de longe olhar para você do que para todos os retratos do mundo exceto talvez às vezes, o Cavaleiro Polonês que de qualquer maneira está no Frick, aonde graças a Deus você nunca foi, de modo que eu posso ir junto com você a primeira vez e isso de você se mover tão bonito, mais ou menos dá conta do Futurismo, assim como em casa nunca penso no Nu Descendo a Escada ou num ensaio, em algum desenho de Leonardo ou Michelangelo que costumava me deslumbrar e o que adianta aos Impressionistas tanta pesquisa quando eles nunca encontraram a pessoa certa para ficar perto de uma árvore quando o sol baixava ou por sinal Marino Marini que não escolheu o cavaleiro tão bem quanto o cavalo ,                 acho que eles todos deixaram de ter uma experiência maravilhosa que eu não vou desperdiçar por isso estou te contando                                                                
    Frank O'Hara                                            (tradução de Luiza Franco Monteiro)
                                                                                                                                                 
Kisses, Thay ;* 

Nenhum comentário:

Postar um comentário