Movie* Escritores da Liberdade

Gente, gente, geeeeente... acabei de assistir um filme muito, muito bom!!! Tão bom que eu não posso esperar mais tempo para escrever sobre ele!
Antes que eu me esqueça, preciso registrar minhas sensações após assistí-lo *--*
Um desejo enorme de mudar o mundo, um amor grandioso pelos seres-humanos e uma sensação de que nada é impossível \o Juntos, podemos acabar com todas as coisas ruins que surgem em nossos caminhos. É por isso que escolhi ser professora!!! Estou com uma vontade enorme de começar a lecionar!!!! Ok, rs, vocês não entenderam nada do que eu falei néh? Mas leiam a resenha e entenderão everything, eu prometo !
Escritores da Liberdade, conta a história de uma professora e um grupo de alunos que fizeram a diferença e se tornaram verdadeiros heróis.
O filme se inicia com a leitura de um relato feito em diário, de uma garota latina chamada Eva...
Ela conta o quão dura é a vida no lugar em que mora, sobre como conheceu a violência desde pequena e a dor que sofreu ao ver o pai sendo preso injustamente. Tudo isto, por conta das disputas existentes entre gangues. Na região, o preconceito racial entre as pessoas é algo extremamente presente e uma etnia não convive com a outra, havendo assim mortes, espancamentos etc ...entre uns e outros.
Nas cenas seguintes, conhecemos a professora Erin Gruwell (interpretada pela brilhante Hillary Swank) ansiosa para começar a dar aulas de Língua Inglesa e Literatura para a turma do primeiro ano básico (no básico se encontram os 'atrasados'), conversando com a mesquinha sra. Margaret Campbell (e haha que coincidência... interpretada pela atriz Imelda Stauton, a profª Umbridge de Harry Potter - a sra. Campbell é praticamente uma versão trouxa da Umbridge).
Ao chegar na sala de aula, a meiga Sra. Gruwell se choca com a turma de adolescentes rebeldes e 'problemáticos'. Eles não a ouvem, fazem comentários horríveis, não se comportam e brigam entre si. No primeiro dela na escola, dois alunos começam a se enfrentar na sala, um querendo socar a cara do outro. Neste momento, Erin percebe que não será nada fácil ser a professora deles.
Mas ela é obstinada e sua vontade de ajudar a humanidade, de lutar pelo outro... é maior do que qualquer obstáculo!
Ela percebe que aqueles jovens possuem muitos problemas na vida e por isso agem de tal forma. Eles foram criados no meio de violência, tensões raciais, tiroteios, brigas e abandono. A escola não oferece nenhum apoio a eles, que são tratados como resto em detrimentos aos brancos e os poucos negros que conseguem ter notas elevadas.
No começo, os alunos a rejeitam e a tratam muito mal... mas Erin não desiste e então decide que vai mudar aquelas condições.
A moça luta com garra contra o sistema deficiente da escola e cria um novo método de ensino. Um método que se baseia não no que o plano ridículo de ensino exigido pelo Conselho Educacional, mas sim na vida daqueles alunos. A professora nota que eles precisam de ajuda, de atenção e de uma voz!
Os jovens relutam em aceitar o que os "brancos" impõe... passar a gramática, A Odisséia para eles sendo que isso não fará diferença alguma na vida dos mesmos. Questionada sobre isso, Erin decide então... sim, ensinar gramática e literatura..., mas fazer isso de um jeito que os alunos se identifiquem e que ajude-os na vida.
A professora começa a mobilizar os alunos quando conta a estória do holocausto. Todos se  interessam porque de alguma forma é como se fosse a estória deles. Um povo excluído e marginalizado por outro 'superior'. 
A teacher faz um jogo de perguntas e então... os estudantes rivais entre si percebem o quão semelhantes são.. em suas lutas diárias.
Os protagonistas na vida real
Todos eles já haviam perdido um amigo por conta de rixas entre gangues, ido para a prisão ou reformatório, sofrido algum tipo de violência... vivendo um verdadeiro holocausto também.
Depois disso, a sra. Gruwell oferece a cada aluno, um diário, no qual eles escreverão suas experiências, sentimentos e ideias. 
E qual não é seu espanto ao perceber que os então 'agressivos' estudantes que a detestavam resolvem aceitar o diário!
Ela fica pasma novamente ao ver os diários que foram deixados em seu armário espontaneamente para que ela lesse *O*
Assim, conhecemos várias histórias de luta dos alunos, eu me senti comovida por todas elas! 
Você sente na pele o que aqueles jovens enfrentaram, a dureza da vida deles.
E mesmo não sendo compreendida pela direção da escola, pelo pai e até pelo marido... Erin vai em frente atrás de seus ideiais e faz acontecer \o
Ela começa a trabalhar em outros dois empregos (vendedora de lingeries e recepcionista de hotel) só para arrecadar dinheiro de modo a comprar livros para os alunos (já que a escola se recusa a dar livros novos para esses 'desleixados perdidos') e até consegue um passeio ao Museu do Holocausto *O*
Todos os estudantes se compadecem e se identificam com os sofrimentos uns dos outros e com os das vítimas do holocausto e assim passam a pensar de outro jeito, a professora Grwell tinha mudado a vida deles.
Achei excelente a ideia dela em dar "O Diário de Anne Frank" para eles lerem *--* Esse livro é MARAVILHOSO!!! 
Os alunos também adoraram e se envolveram tanto com a causa que conseguiram (unindo-se) arrecadar dinheiro para trazer Miep Gies (a mulher que ajudou a família da Anne e que possibilitou que o diário da menina fosse conhecido pelo mundo) à escola deles para dar uma 'palestra' *----*
Ah pessoal..., depois disso... cada momento do filme é surpreendente, uma vitória para a professora e sobretudo para os alunos!
Ela consegue fazer com que eles enxerguem que a violência nada resolve, que a justiça, a bondade e a força de vontade são as melhores coisas a se seguir e somente estas coisas podem salvar o mundo de qualquer holocausto. É maravilhoso ver a transformação ocorrendo neles *--* eu me senti tão inspirada, quero ser que nem essa professora \o Erin Gruwell é minha ídola *O*, um exemplo a se seguir!!!
O filme nos faz refletir sobre nossas próprias vidas e sobre nosso atos em relação aos outros.
Você está respeito o seu próximo? Você pode ajudar o mundo com pequenas (mas grandiosas) atitudes!
A Educação deveria tomar a estória da profª Gruwell como doutrina!!! Diga não ao conformismo \o
E sabe o que é mais legal? Isso tudo aconteceu na vida real!! O filme é baseado no livro Diário dos Escritores da Liberdade, escrito pelos próprios jovens que a vivenciaram *O*
Vejam o que aconteceu com aqueles adolescentes por quem ninguém dava nada! Eles venceram ,mostraram que eram capazes... que não eram caso perdido! Alguns deles foram os primeiros de suas famílias a cursarem uma universidade!!! 
Muitas pessoas reclamam da escola, dizendo que a detestam e tal... mas eu não acho que a escola seja detestável..., eu acho que os padrões que o governo impõe nas escolas e que algumas pessoas escaladas para comandarem estas e é que são detestáveis. A Educação é tudo nas nossas vidas, só ela pode nos ajudar a mudar uma situação ruim, eu sei disso... porque ela mudou a minha vida! Mas os professores deveriam se valorizar e serem valorizados. Não temos que dar aulas só para ganhar um salário, encher a lousa de matéria e ir embora para a casa. Devemos nos engajar como fez a professora Gruwell ( e aquele professor de Sociedade dos Poetas Mortos) e lutar por nossos alunos, mudar a vida deles e consequentemente mudar as nossas, provar para os jovens que vale a pena ir para a escola todos os dias.
Eu serei uma professora assim, escrevam o que digo \o
E se depender de mim... um dia a Educação do país muda (tenho a ambição de me tornar ministra da Educação, muahahahahaha) rs.
Assistam pessoal, esse filme é digno de APLAUSOS!!!!





~* Links
- Artigo acadêmico sobre o filme (AQUI)
- + sobre o filme (AQUI)
- O maravilhoso Diário de Anne Frank (AQUI)
- + sobre o Livro Escritores da Liberdade(AQUI)










Kisses, Thay ;*


2 comentários:

  1. realmente esse filme é perfeito...
    uma lição de vida pra qualquer pessoa seja qual for a situação, as palavras de Erin serve pra abrirmos os olhos quando achamos que a vida não tem mais sentido, ou simplesmente não somos capazes... agora me recordo de outro filme 'a procura da felicidade' nunca deixe que lhe digam que não é capaz... ! a escola é o primeiro passo para chegar lá, e através de muito incentivo que os professores passam os alunos podem ir longe. Erin é um exemplo a se seguir.

    Franciene, 19 anos , 4º período de história.

    ResponderExcluir