Movie* A invenção de Hugo Cabret

Heey guys! Anteontem assisti um filme maravilhoso!! A tão comentada produção "A   invenção de Hugo Cabret" (em inglês "Hugo") me conquistou e mostrou a mim o porque de tanto sucesso.

Sinopse:Hugo Cabret (Asa Butterfield) é um órfão de 12 anos que vive escondido na estação central de trens de Paris dos anos 1930. Esgueirando-se por passagens secretas, Hugo cuida dos diversos relógios do lugar: escuta seus compassos, observa enormes ponteiros e responsabiliza-se pelo funcionamento das máquinas. A sobrevivência de Hugo depende do anonimato: ele tenta se manter invisível porque guarda um incrível segredo, que é posto em risco quando o severo dono da loja de brinquedos da estação e sua afilhada Isabelle (Chloe Moretz), cruzam o caminho do garoto. Um desenho enigmático, um caderno valioso, uma chave roubada e um raro autômato estão no centro desta intrincada e imprevisível história, que mistura elementos dos quadrinhos e do cinema, oferecendo uma diferente e emocionante experiência de história numa homenagem inteligente ao cinema mudo e a preto e branco, especialmente, ao precursor dos efeitos especiais e da fantasia representada no cinema, Georges Méliès.Fonte: Wikipédia

Para começar, o filme foi dirigido pelo aclamado Martin Scorsese e co-produzido pelo divo Johnny Depp, além disso, tem um elenco incrível!
De início, conhecemos o dia-a-dia do jovem Hugo Cabret na estação de trem de Paris, e logo vamos descobrindo a história desse garoto especial. 
Quando o destino do menino cruza com o de Papa Georges (o severo dono do estande de brinquedos) tudo muda. Histórias se entrelaçam, partes do mistério do autômato começam a ser reveladas e Hugo inicia uma grande aventura ao lado da sonhadora Isabelle (com a qual me identifiquei demais, já que a menina é uma bookaholic haha *-*). 
Simplesmente me encantei com toda a história, a graciosidade com que o enredo se desenrola, as personagens simples e impressionantes, o cotidiano na estação e tudo o mais.
Acho que o que dá um toque todo especial na produção é o modo como as histórias se entrelaçam e o significado que vão adquirindo conforme vamos sabendo mais.
No começo, eu fiquei sem saber direito o que raios teria de tão legal em um filme, no qual um garoto quer consertar um robô, fiquei furiosa com o velho Georges por ser tão cruel com o Hugo. Mas, depois me surpreendi. 
A história foi ganhando uma trajetória linda, a busca pela chave, o sonho de Hugo, o mistério por trás de Papa Georges.
Creio que o tema principal do filme é o "sonho", o mundo... a vida , todos esses elementos são ilustrados através da temática da máquina. Sem contar, que trata do cinema, foi incrível conhecer a história das produções cinematográficas *-*
Não obstante, "A invenção de Hugo Cabret" ainda faz uma bela homenagem aos livros, mostrando o poder mágico que uma biblioteca pode ter.


No entanto, o que mais me deixou apaixonada, foi a história como um todo, que acaba falando de pessoas e propósitos. Não nascemos por acaso, nossas vidas tem um sentindo, e é preciso que nós tenhamos propósitos para poder seguir vivendo. 
Não podemos deixar de sonhar, é do sonho que nos alimentamos, é graças à fantasia que o mundo tem tudo o que possui! Se os irmãos Lumière não tivessem fantasiado sobre algo que projetasse sonhos em tela, jamais teríamos o cinema! Se não fosse pelo sonho doido de Martin Cooper, não teríamos celulares! Por isso a imaginação é tão importante, não é conversa fiada e perda de tempo (aliás, esse foi o tema de uma pesquisa que fiz para "Psicologia e Educação" no semestre passado, quer ver? (AQUI)). 
As pessoas costumam valorizar, somente aquilo que traz coisas práticas, palpáveis, que rendem lucro. São tão inteligentes, que se matam de trabalhar, fazendo todo dia a mesma coisa, nem gostam disso, trabalham para poder viver, mas acabam não vivendo. Gastam o dinheiro recebido pagando contas e é isso o tempo inteiro. Onde está o espaço para os sonhos? O espaço para fazer coisas que gostam? Nada disso, não há tempo a perder na fantasia! Nada de cinema, nada de livros, nada de música, nada de coisas que não rendam.
Essa é a sociedade do século XXI, é uma sociedade que ainda carrega consequências da segunda guerra mundial (você deixa aquele infeliz do Hitler interferir em sua vida até hoje?). Depois de sofrerem com as terríveis atrocidades daquela guerra, as pessoas achavam que não tinham tempo a perder com bobagens (sonhos, diversão), já não liam, não contavam histórias, não iam ao cinema, só pensavam em trabalhar para "viver", era a realidade que havia sido marcada a ferra e fogo no coração desta população. 
O filme mostra isso tudo de uma forma, eu diria, lírica. Hugo é um garoto que sofreu muito, pois perdera a única pessoa que lhe restava e o amava (o pai), sendo tratado como um escravo pelo tio. Tendo que viver escondido, sozinho, em uma estação de trem, correndo do inspetor mal humorado (haha, que é uma figura! Por trás daquela imagem de durão, há um coração enorme!). Hugo não desiste de seu sonho, agarra-se à esperança e isso que o mantem vivo. O universo conspira a favor daqueles que não desistem de sonhar, mesmo em meio às adversidades. Assim, através da aventura, o garoto vai trilhando seu caminho, cumprindo seus propósitos, consertando máquinas e corações *-* Junto com o garoto, percebemos que os sonhos não podem ser esquecidos, que nunca é tarde para realizá-los, que todo dia pode ser uma aventura e que todos nós merecemos a felicidade, cada um de nós é importante para que a máquina mundo funcione e toda peça tem uma função. 


O filme é LINDO, me emocionei do início ao fim, o desfecho é fantástico!
Fiquei ainda mais maravilhada, quando descobri que George Méliès, de fato existiu! Sem sombra de dúvidas, esse filme vai para minha lista dos melhores que já assisti *-*

P.S: Sem contar que há muitos atores de Harry Potter, no elenco *-*





Nenhum comentário:

Postar um comentário