Feelings* Por onde andei, enquanto você me procurava

Hi, my lovely readers! Não, eu não abandonei o blog! Haha, jamais faria isso! Amo  escrever aqui para os meus leitores lindos. Acontece que estou no fim do semestre, ou seja, tenho muitas provas e trabalhos para fazer! Só para vocês terem uma ideia, ontem tive que fazer análise de duas conversações envolvendo algumas pessoas com afasia e outras com Mal de Alzheimer, é muito interessante! Mas, não tenho certeza se fui bem sucedida, pois estava com a cabeça em outro lugar, preocupada. Não sei se vocês ficaram sabendo do boato que andou circulando por Sumaré, sobre um possível ataque do PCC, pois é minha gente, recebemos toque de recolher e tudo! Lojas e escolas fecharam, foi um caos. Quase perdi prova por causa disso! Até agora não sabemos se é verdade ou se é mentira, mas em todo caso, é melhor seguir o conselho do Moody “Vigilância constante”.  
Estou revoltada! Em que mundo estamos, onde bandidos dão toque de recolher para nós? Limitam nossas ações e põe em risco pessoas inocentes!? Não estou criticando apenas eles, pois a culpa também é dos governantes, onde está a segurança do povo? Onde está a igualdade social? Se todos recebemos condições iguais de vida (e não vivêssemos nesse descaso, onde senadores e deputados ganham uma quantidade absurda de dinheiro e professores uma quantia miserável), talvez nada disso ocorreria! Não, as pessoas estão mais preocupadas com CAPITAL. Pois que se engasguem com dinheiro! Não sabemos quando vamos morrer e quando morrermos, é certo que não levaremos nada. 
Dá uma revolta tão grande! Mas, não quero ficar falando de coisas ruins aqui, acho que já sabemos de tais coisas o suficiente. Creio que cada um deve fazer sua parte para melhorar esse mundo.
No domingo, fiz a prova do concurso do Estado para dar aulas de Língua Portuguesa, quero fazer minha parte, ajudando na Educação desse país. Espero ser uma boa professora, que acima de tudo é amiga dos alunos *-*
Fora isso, estou acompanhando The Vampire Diaries (que por sinal, está muito boa!!!!), lendo alguns livros (que não fazem parte do cronograma do meu curso) - "Dezesseis Luas", "Cristianismo: Puro e Simples", lendo mangás - "Card Captor Sakura" e "Merupuri" e acho que é isso haha.
Ah, também ando ouvindo muuito o CD da Tay "RED" *-* 
Ando observando mais as pessoas e o mundo ao meu redor, revendo algumas de minhas ações, acertando contas com o passado e lutando contra eu mesma, em relação a certos aspectos.
Acho que acima de tudo, tenho me surpreendido bastante sabe? Tantas coisas acontecendo... mas, acho que estou meio que diante de uma crise de identidade. Nossa, há séculos que eu não me sentia assim (desde sei lá, meus onze/doze anos! - época em que é normal ocorrer tal coisa). É que de repente, eu parei e olhei para mim, pela primeira vez em meses, eu olhei para o que eu estava sendo. 
E nossa, o espanto foi grande. Houve uma considerável mudança em mim, de um ano para cá.
É tudo muito estranho, não saber quem você é e principalmente, não saber se você se tornou alguém melhor ou pior.
Eu percebi que os bons e mals momentos causaram uma transformação enorme no meu modo de agir e pensar. Antes, eu era um pouco ingênua e passiva. Hoje, eu desconfio de tudo e de todos (quando tem fundamento, claro) e não aguento mais as coisas quieta.
Digamos que eu percebi que estou mais ácida. A doçura extrema acabou. Almejo ser agridoce, uma combinação perfeita entre acidez e doçura, o sabor que tanto aprecio na culinária japonesa.
É, acho que estou assim "agridoce". Nem muito cheia de mimimi e romântica ao extremo, nem muito grossa e desiludida com o mundo. Estou ciente de que a vida pode ser linda e horrível a qualquer momento. Acredito nos meus sonhos, mas não fico sentada esperando que eles se realizem, sei que deverei trabalhar duro. Hoje aprendi que ficar chorando é algo que não devo fazer com muita frequência, reclamar também não adianta NADA.
Mas é claro que tem vezes que não dá para segurar, mas é melhor tentar dimunir estas incidências.
Digamos que estou mais durona, feita de titânio, como diz a música do David Gueta e da Sia.  

I'm bulletproof, nothing to lose fire away, fire away ricochet, you take your aim fire away, fire away ... [...] you shoot me down, but I won't fall I am titanium!

Antes, eu não conseguia expor minha opinião e falava super baixo, hoje eu argumento, consigo elevar o tom de voz e se ouço/vejo algo que não concordo, logo defendo meu ponto de vista.
Não deixo mais ninguém pisar em mim, corro atrás apenas de quem realmente amo e mesmo essa pessoa, se deixar claro que não quer me ouvir, eu deixo... deixo o vento levar, se voltar e meu, se não retornar é porque nunca foi.
Não quero coisas de R$ 1,99, muito obrigada. Agora, eu não me contento com pouco e não quero saber de coisas pela metade. Aprendi a identificar "pessoas de mentira". 
Percebi que meus posts no tumblr e no face estão mais maduros. 
Obviamente que certas coisas que perdi são lamentáveis. Exemplo? Deixei de acreditar no amor que acreditava, sim... eu ainda acredito, mas me parece algo distante.
Nada de posts sobre "nós", "eu te amo", "um dia vou encontrar você" e coisas do tipo :P
Cansei dessas coisas...
Depois de várias desilusões seguidas, você acaba ficando assim.
Estou me concentrando nas coisas que estão nas minhas mãos, neste momento.
Minha vida.
Por isso, estou tirando o foco daquilo que eu sempre foquei: "os outros" e olhando um pouco mais para mim.  
Descobri que ainda gosto de Jane Austen, de comédias-românticas, de videogame, de tomar chá, de Harry Potter, de ver fotos bonitas, ainda sonho em viajar, ainda tenho curiosidade por pessoas, ainda gosto de morrer de rir, gosto de fantasiar clipes na minha cabeça, ainda tenho esperanças de um futuro bonito. Ainda sou eu, ainda tenho um bom coração, ainda quero ajudar as pessoas, ainda sou o tipo de pessoa que não odeia ninguém. Eu ainda sou eu. Sempre estou com Deus. Então acho que é isso, eu continuo sendo a Thaís, só que mais forte e mais ácida haha.
Isso é bom? Creio que sim, toda mudança é bem vinda e estou feliz comigo mesma agora ^^
Dou os parabéns para todos aqueles que ainda me amam, diante de todas minhas crises de humor.
É uma pena que eu não possa dizer o mesmo de certas pessoas, mas se estas não estão aqui comigo, certamente não fazem mais parte do que eu sou.
E você, por onde anda?




Nenhum comentário:

Postar um comentário