Letters* Nervos em Combustão

Chega uma hora em que a gente explode. É, toda brisa tem seu dia de ventania. E eu já tive tantos!
Parece que ando em constante combustão, meus nervos fervem de tantas emoções loucas e (in)tensas.
Há quanto tempo eu fiquei assim? 
Lembro-me de que quando tinha por volta dos quinze anos, tudo o que eu fazia era ficar sentada, escrevendo textos melancólicos e chorando por tudo dar sempre errado na minha vida. Eu chorava, o lugar de vítima era perfeito pra mim. Tão frágil... os pensamentos me acusavam e me tornavam indefesa. Oh, o mundo inteiro é bom e eu é que não mereço porcaria nenhuma.
Eu costumava ser passiva, derramando lágrimas sobre as folhas rabiscadas do meu diário surrado.
Esperava pelo dia em que seria salva da minha tragédia, esperava pelas ações de pessoas-heroínas que iriam me resgatar do poço inundado de fatalidade.
Via todos viverem suas vidas felizes envoltos à maravilhosa maré de sorte que nunca chegava até mim.
Posso me ver em flashbacks, aceitando tudo o que os outros me diziam, calando-me diante de tudo.
Não falava o que queria, não falava o que me irritava, o silêncio era a minha corrente de bronze.
De alguma forma, eu sempre me via como a errada da história, a culpada imperfeita ridícula e desprezível.
Era sempre eu que tinha que me dar mal na história, o papel de coitadinha esnobada era meu.
Meu roteiro se limitava a ficar lamentando por não ser amada, encharcando as folhas dos meus livros com lágrimas pesadas..
A amiga perfeita que só existia para ajudar os outros, já que a minha vida era apenas me contentar com o azar zombeteiro. 
Aquele estereótipo de nerd reprimida inofensiva cabia como uma luva em minhas mãos calejadas pelos textos depressivos escritos.
Hoje eu olho para mim e vejo que aquela menininha boba não existe mais.
Isso me assusta... porque eu sinto que mudei e percebo que as consequências foram grandiosas.
É errado você ter desenvolvido defesas? É errado você não ficar mais calada diante das coisas que te desagradam? É errado você não ser mais aquela imbecil que sempre aceita tudo? É errado não ficar adulando um amigo porque sabe que ele não pode ficar de mimimi? É errado dizer, na lata, o que quer ao invés de ficar se escondendo? É errado querer que alguém vá caçar gnomos no Monte Everest? 
É errado não gostar de todo mundo? É errado querer mandar alguém ir para o raio que o parta?
É errado eu discordar das injustiças que fazem comigo? É errado eu lutar pelos meus objetivos?
O modo como algumas pessoas agem comigo me faz pensar que virei uma monstra, só porque deixei de ser a tonta com a qual estavam acostumados.
Sinto muito..., mas eu abandonei o papel de vítima há muito tempo.
Não sinto mais a mínima vontade de ser como a maioria das princesas dos contos de fadas, que ficam sofrendo até o príncipe perfeito aparecer e salvá-las. Se fosse para ser uma princesa, eu escolheria a Mulan.
Pois abandonei o papel de sofredora, para pegar o papel de heroína da minha própria história.
Ser uma guerreira é bem mais interessante e legal. 


Ao invés de ficar chorando sob as folhas do meu diário surrado, eu coloco a minha música inspiração e a entoo bem alto. 
Não espero mais pela tal maré de sorte, porque estou ocupada criando o meu próprio oceano.
Me esforço para lembrar, mas não consigo recordar qual foi o exato momento em que a metamorfose aconteceu...
Não consigo voltar a ser que eu era, porque aquele alguém já é estranho para mim.
Não foi moleza, o vaso passa pelo fogo até ficar pronto.
Fui duramente quebrada e lapidada. Me destruíram, eu virei ruína. Mas isso aconteceu para que essa nova construção fosse erguida. E quer saber? Gosto muito mais dela.
Ainda estou me acostumando com essa nova forma de olhar o mundo, através desse novo coração morno que bate em meu peito.
Posso ver as consequências dessas transformações em todos os lugares, algumas pessoas que conheceram meu antigo eu não estão lidando muito bem com essa minha nova versão.
Às vezes, lamento por não conseguir mantê-las junto comigo. Mas daí lembro que estará comigo quem realmente quer. Se não quiser... o que eu posso fazer? 
Eu era uma espécie de flor da melancolia que foi pisada e estraçalhada. Mas dos restos dessa flor, surgiu um a nova e... creio que há alguns espinhos nela.
O meu perfume só pode ser sentido por aqueles que manuseiam essa flor com carinho e amor.
Eu estou pegando minha espada, sendo guiada pelo meu coração de titânio, em busca das aventuras que eu tanto quero ter.
Não vou esperar ninguém para me levar, eu aprendi a andar com as minhas próprias pernas. Não existe essa de fatalidade, você cria seu próprio caminho. Não é porque as coisas deram errado uma vez que darão de novo! Não farei jamais esse papel de vítima novamente!
Além de ventania, eu também posso ser furacão. Assim, quem sabe eu não acabo em Oz, quem sabe não encontro a estrada de tijolos amarelos e ajude espantalhos, leões covardes e homens de lata? Quem sabe não desmascaro falsos mágicos e dou uma boa lição na bruxa malvada?
Não pense que ficarei arrasada e mal só porque você pisou em mim, pelo contrário... seus pés é que vão ficar doendo, graças aos espinhos em que você mesmo mexeu.
Os meus sonhos agora me movem, a força é renovada todos os dias. Esse turbilhão sou eu, não pense que me conhece, porque eu mesma não tenho noção da minha capacidade.
Só digo uma coisa, a flor que cresce da adversidade é mais forte do que todas as outras.
Não tente me jogar no poço, eu já estive lá e sei muito bem como voltar.
Haha... fique tranquilo, não te ligarei dizendo: Sete dias.
Pelo contrário, eu purificarei as águas e as distribuirei pelos jardins da vida. 


2 comentários:

  1. Eu aqui lendo esse texto 01h37AM, na madrugada de sábado depois de uma semana 'pesada'.. não dá né?! O bom de tudo isso, é que vc preservou as suas qualidades, pelo que vejo. Apesar de ter se achado a pior de todas no passado, essa garra permanece com vc. Adorei! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkk justo quando precisamos dormir, o sono resolve desaparecer! >.<
      Sim, uma das coisas que mais me deixam feliz é saber que apesar de tudo, continuo sendo uma sonhadora cabeça-dura (ou melhor: determinada kkk).
      Que bom que gostou! *----*
      Às vezes, paramos no meio do caminho sem saber para onde ir e o que aconteceu, mas de alguma forma... o nosso coração sempre acaba achando a saída :)

      Excluir