Epifania

Em um desses raros momentos de epifania... eu me dei conta de que muitas vezes aquilo que achamos que seria perfeito para nós, aquilo que sempre buscamos e planejamos encontrar... aquela pessoa/ decisão/momento/trabalho/curso/rumo que sempre achamos que se encaixaria conosco.... na verdade não é o melhor, não é o que nos faz feliz; não causa batimentos cardíacos acelerados, não é aquilo que faz com que nos sintamos vivos...
Às vezes o oposto daquilo que achamos que é o modelo perfeito para nós é exatamente o que faz nossa vida ter sentido.Quando eu era mais nova, tracei uma lista de coisas que eu achava que se encaixariam perfeitamente para mim. Isso vai desde a pessoa com a qual ficaria até a profissão que eu seguiria.
Hoje, quando eu olho para tudo o que vivo agora e já vivi, me surpreendo, pois eu sei que nada do que planejei me faria feliz. 
E se de repente tudo o que você sonhou pra sua vida acontecesse e você descobrisse que nada daquilo te faz sentir viva?
Toda a perfeição que eu imaginava jamais me deixará satisfeita.
Eu sempre gostei de desviar dos caminhos traçados, sempre preferi ir pela estrada mais complicada. Isso acontece desde que eu estava na barriga da minha mãe e me direcionei para o lado errado, impedindo-a de ter um parto normal haha.
Achei que as coisas perfeitinhas e nos eixos sempre fossem me fazer feliz, mas elas não fazem
Sempre sonhei com uma vida normal como de todas as pessoas: estudar, trabalhar, namorar, casar, ter filhos, morrer.
As pessoas sempre me elogiaram por eu passar a vida toda me dedicando apenas aos estudos.
É verdade que eu sempre amei estudar e nunca senti real desejo de me divertir em baladas. 
Mas eu estava completamente enganada quando pensei que os estudos me satisfariam por completo.
Não, eu também tenho outros anseios. 
A vida regradinha e monótona que eu sempre tive não me fez feliz por muito tempo.
Eu acho que é preciso ter equilíbrio, mas (des)equilíbrio de vez em quando.
É difícil aceitar que aquilo que você sempre julgou como certo, na verdade não é tão certo assim.
É mais difícil ainda admitir isso para o mundo.
Os melhores momentos da minha vida correspondem aos dias em que eu me dediquei aos estudos, mas enquanto isso, também vivia aventuras.
Os dias em que me senti viva foram aqueles em que eu era obrigada a sair da famosa zona de conforto.
Sempre fui meio Bilbo... Morro de vontade de me aventurar e vencer meus medos, mas sinto um enorme receio de sair da minha toca confortável.
Mas eu paguei minha língua, assim como o nosso querido hobbit pagou!
Sem querer querendo eu desviei da rota confortável e pude conhecer as maravilhas daquilo que eu não planejava e jamais pensei em planejar. 
No momento em que eu parei pra pensar sobre o que eu queria, nossa, que susto que eu levei ao ver que nada do que escrevi fazia sentido. Será que eu cristalizei todos aqueles desejos comuns e indicados para todos quererem?


"Quero me dedicar somente aos estudos e deixar a diversão para depois"
Não, eu quero diversão agora enquanto estudo! Uma vida sem diversão (a minha diversão não corresponde ao que comumente é atribuído à palavra rsrs. A diversão é relativa para cada um) é uma vida sem produtividade.
Não quero ser uma pessoa bitolada e frustrada. 
"O homem dos meus sonhos é gentil, sensível, me compreenderá sempre, será do tipo certinho, um príncipe encantado.. e gostará das  mesmas coisas que eu."
Ladainha enorme... Esse é um dos pontos que mais me deixou espantada. Sempre achei que o tipo descrito me faria extremamente feliz! Imaginem só! Um príncipe encantado! A perfeição em pessoa! Mas, poxa vida, como eu estava errada (de novo kkk). Haha não é esse tipo de pessoa que faz meu coração bater mais forte...
Acho que minhas preferências de personagens masculinos literários revelam isso (mas eu não havia percebido), afinal de contas, eu gosto dos  complicados, de gênio forte, esquisitos, teimosos, durões, sinceros (até demais): Patch, Damon, Mr. Darcy, Heathcliff, Mr. Rochester, Michael Moscovitz (ele não é tão bad boy como os outros, mas não é do tipo príncipe encantado como aqueles tradicionais), a Fera (tudo bem que a aparência da fera é tensa, mas a personalidade dele me agrada kkk) etc.
Pois é, mas pode ser que essas preferências mudem ao longo da minha vida...Afinal, já gostei de príncipes encantados e 100% bonzinhos rsrsrs
"Depois da faculdade, quero casar e ter uma familia"
É claro que eu gostaria de encontrar alguém legal e ter uma família algum dia. Mas essa não é minha prioridade. Antes, eu quero viajar pelo mundo e viver experiências legais.
"Quero ser professora pelo resto da minha vida!"
De verdade, bem do fundo do meu coração, não sei se é realmente isso que eu quero. É lógico que sonho em ser professora. Mas eu tenho certeza de que fazer apenas isso não me deixará satisfeita. 
Eu quero pesquisar, quero fazer outros cursos! Sou uma pessoa que gosta de vários campos do conhecimento e limitação realmente não me agrada.
 Nossa, esse texto ficou bem maior do que eu pretendia (viram como eu nunca sigo o script? Haha).
Todo esse discurso foi feito pois eu queria desabafar e também deixar algo para vocês pensarem.
Será que o que você quer e acha perfeito é realmente o que você quer e te fará feliz? Às vezes nós cristalizamos sonhos que a sociedade fixa em nossas mentes, nós não percebemos, mas somos moldados pelo meio em que vivemos... Por isso é importante pensar no que realmente faz seu coração bater mais forte.
Desviar da rota pode te levar a lugares incríveis. Como diria Renato Russo:

"Quando tudo nos parece dar errado, acontecem coisas boas que não teriam acontecido se tudo tivesse dado certo.... "




Nenhum comentário:

Postar um comentário