Books* Desventuras em Série: Mau Começo - Lemony Snicket

Hi, my lovely readers! Hoje pela manhã e início da tarde eu li o primeiro livro da coleção Desventuras em Série!

Título: Mau começo (The bad beginning)
Autor: Lemony Snicket - Daniel Handler
Ilustrador: Brett Helquist
Tradutor: Carlos Sussekind
Editora: Cia. Das Letras
Ano: 1999
Páginas: 148

Desventuras em Série: Mau ComeçoSinopse: Mau Começo é o primeiro volume de uma série em que Lemony Snicket conta as desventuras dos irmãos Baudelaire. Violet, Klaus e Sunny são encantadores e inteligentes, mas ocupam o primeiro lugar na classificação das pessoas mais infelizes do mundo. De fato, a infelicidade segue os seus passos desde a primeira página, quando eles estão na praia e recebem uma trágica notícia. Esses ímãs que atraem desgraças terão de enfrentar, por exemplo, roupas que pinicam o corpo, um gosmento vilão dominado pela cobiça, um incêndio calamitoso e mingau frio no café da manhã. É por isso que, logo na quarta capa, Snicket avisa ao leitor: "Não há nada que o impeça de fechar o livro imediatamente e sair para uma outra leitura sobre coisas felizes, se é isso que você prefere".Em 2005, Jim Carrey estrelou uma versão cinematográfica dos três primeiros livros da série, no papel de conde Olaf. Fonte: Skoob

Desde que assisti ao filme "Desventuras em Série" que tenho vontade de ler os livros da coleção de Lemony Snicket. A oportunidade surgiu nesse mês, quando uma amiga me vendeu "Mau Começo". Eu li as 148 páginas do livro em poucas horas e posso dizer que gostei bastante da estória.

Dorama* Akai Ito

Yo minna-san (olá pessoal)!
Acabei de assistir um dorama muito lindo e tenso!
Sinopse
Akai Ito conta a história do fio vermelho invisível que une pelos mindinhos as pessoas destinadas a ficarem juntas para sempre.
Quando crianças, Mei e Atsushi se conhecem na frente de uma doceria e acabam descobrindo que fazem aniversário no mesmo dia: 29 de fevereiro. Nos dias atuais, os dois estudam na mesma classe, apesar de não conversarem muito. Mei é uma garota sonhadora, que acredita em simpatias para o amor e gosta há anos de seu amigo de infância Yuya, apesar de nunca ter se confessado a despeito do encorajamento de suas amigas. Atsushi está sendo criado por um sacerdote devido a seus problemas familiares, e como a maior parte do tempo está sério, passa um ar maduro para sua idade.
Como o fio vermelho agirá para unir os dois ?
Fonte: Dopeka

Devo confessar que o que me levou a assistir esse dorama foi o título "Akai Ito", o qual faz referência a uma antiga lenda chinesa (que mais tarde foi propagada para o Japão) do fio vermelho que uniria duas pessoas destinadas a ficar juntas. A história é realmente muito bonita, vocês podem lê-la (AQUI).
Ou seja, a ideia do Akai Ito é basicamente sobre almas gêmeas. Acreditam que cada um de nós é ligado a uma pessoa por meio de um fio vermelho invisível que fica em nossos dedinhos. Sendo assim, poderíamos enfrentar vários desencontros, separações, dificuldades... mas de alguma forma, sempre acabaríamos ficando junto da pessoa do nosso destino. Eu acho essa ideia realmente interessante!

Estudando Japonês

Hi, my lovely readers! Como estão? Espero que muito bem! Minhas aulas estão realmente bem perto de começarem! E nesse semestre eu iniciarei a disciplina de Japonês II. Diante disso, eu percebi (aliás, me desesperei) que devia rever tudo o que aprendi no Japonês I, pois com certeza usaremos muitas coisas no nível seguinte. Não treinei muito a escrita nas férias, porém, pratiquei bastante a compreensão e a fala. Afinal de contas, ouvi muito j-pop e j-rock, além de assistir animes (Clannad, Zero no Tsukaima e Tonari no Kaibutsu-kun) e um dorama (Akai Ito - o qual ainda estou terminando de ver hehe). Por isso, voltei a estudar outros aspectos da língua hoje mesmo e resolvi compartilhar algumas coisas com vocês. Já até pensei em criar um blog específico sobre o Japão (seria uma espécie de instrumento de aprendizado para mim e para outros leitores), mas por enquanto vou fazer posts aqui. 
Para quem não sabe, eu morei no Japão dos 4 meses de idade até os 6/7 anos e voltei aos 8 para visitar, além disso, meu pai mora lá ^^ Aliás, seria muito bom se ele tivesse enriquecido na terra do sol nascente, mas pelo contrário, trabalha como um condenado para poder me enviar alguma ajuda em relação às minhas despesas. A vida para os dekasseguis (brasileiros- descendentes de japas que vão trabalhar no Japão) foi e sempre será bem complicada. Eles passam grande parte do tempo trabalhando como operários e quase não tem tempo para descansar.
Mas viver no Japão tem as suas vantagens, lá o povo é realmente educado e disciplinado, além de ser proibido jogar lixo no chão.
Aprendi japonês (nihongo), quando eu também estava em processo de aquisição da língua
 portuguesa, o problema é que eu usei bastante o português (pois vim para o Brasil) e o japonês acabei esquecendo por não utilizar. O que foi realmente uma tristeza... Pois apenas aos 20 anos de idade é que eu tive oportunidade de fazer aulas de nihongo na minha universidade.
Foi muito bom, porque encontrei pessoas que também gostavam bastante de coisas relacionadas ao Japão. Aliás, não apenas descendentes, mas muitas outras pessoas sem descendência japonesa.
Também tive a grande sorte de conhecer alguns intercambistas japoneses. Em especial a Ayano e Misato, para a última, eu pude ter a felicidade de dar aulas de português. Sinto muita saudade! Aprendi muito com elas sobre o Japão e pude ensinar coisas sobre o Brasil! Um dos meus grandes sonhos é poder ir para o Japão novamente e visitá-las.
Mas até lá, preciso estar com um nível bom de japonês! Tenho facilidade com a língua, pois aprendi muito dela na época em que, de acordo com uma teoria da linguagem chamada gerativismo, seria a melhor época para aprender um idioma. Mas tenho ajuda, é claro, de amigos e familiares que sempre usam alguma palavra japa. 
No nível 1, eu reaprendi os dois silabários fundamentais do nihongo: Hiragana (para palavras japonesas) e Katakana (para palavras estrangeiras) e, obviamente rs, também tive de aprender alguns kanjis (existem muuuuuitos kanjis, nem mesmo os japoneses conhecem todos). 
Aprendi um pouco de gramática, aumentei meu vocabulário etc. Fiz umas 5 provas, incluindo uma oral!! Então o curso é bem eficiente mesmo, porque fechei com uma nota linda. Acredito que os cursos rigorosos e que exigem disciplina e esforço são mais eficazes do que aqueles que não exigem muito. Além disso, as aulas eram bem gostosas, a sensei (professora) sempre levava jogos e nos contava curiosidades sobre a cultura japonesa. A hora passava e eu nem percebia.
Fiquei tão feliz quando comecei a ler rótulos de comidas!!! Já sei dizer para onde vou, para onde fui, minha nacionalidade, a data do meu aniversário, que horas são e mais um montão de coisas.
Mas há muito pela frente!! Estou bem no início... e espero que eu fique razoavelmente fluente logo.
Porque quero traduzir animes, mangás, músicas e doramas!!
Ahh para quem tiver curiosidade, aqui estão algumas fotos do que estudei no nível 1:


Meu traçado está horrível nessa foto!! 


Traçado horrível de novo! Estudamos com um livro em inglês, chamado "Japanese for Busy People"

Por hoje é só minna (pessoal)! Nos próximos dias devo postar mais coisas sobre Japão, por conta dos meus estudos. Espero que gostem!! ^^


Book* Inferno - Dan Brown

Hi, my lovely readers!! Há algumas semanas terminei de ler a mais recente aventura de Robert Langdon!

InfernoSinopse
Neste fascinante thriller, Dan Brown retoma a mistura magistral de história, arte, códigos e símbolos que o consagrou em "O Código Da Vinci", "Anjos e Demônios" e "O Símbolo Perdido" e faz de Inferno sua aposta mais alta até o momento. No coração da Itália, Robert Langdon, o professor de Simbologia de Harvard, é arrastado para um mundo angustiante centrado numa das obras literárias mais duradouras e misteriosas da história: O Inferno, de Dante Alighieri. Numa corrida contra o tempo, ele luta contra um adversário assustador e enfrenta um enigma engenhoso que o leva para uma clássica paisagem de arte, passagens secretas e ciência futurística. Tendo como pano de fundo poema de Dante, e mergulha numa caçada frenética para encontrar respostas e decidir em quem confiar, antes que o mundo que conhecemos seja destruído.
Fonte: Skoob

Sempre adorei os livros do Dan Brown, porque estes me fazem refletir, não apenas sobre a solução dos mistérios de cada estória, mas também sobre as curiosidades e informações que o autor nos apresenta. O meu preferido é "O Código Da Vinci"!
Mas falemos de "Inferno" agora rsrs...
Nosso conhecido Robert Langdon, dessa vez, acorda em um hospital da Itália, sem ter noção alguma sobre o que está fazendo ali. O simbologista fica sabendo que levou um tiro e perdeu a memória relacionada aos eventos recentes de sua vida. O que raios ele estava fazendo na Itália??? Por que levara um tiro???
Robert está em meio a um grande mistério, mas o que dizia respeito apenas ao seu mundo, na verdade abrange algo muito maior. Outros eventos começam a ocorrer e, de repente, o professor de Harvard se vê em uma corrida contra inimigos poderosos. E diante dessa aventura, a médica Sienna Brooks o auxilia, percorrendo os arredores de Florença juntamente com Langdon.