Reflexões e salsicha


"Lá estava eu, olhando para o horizonte. Sozinha, eu sentia. Eu pude ver desde o (re)nascimento do Sol até o (re)aparecimento das estrelas no céu. Passei horas e horas apenas admirando os raios solares preencherem o céu azul e, mais tarde, as estrelas pontilharem o céu anil. Os raios resplandeciam para todos os lados, sem controle... Lindos, iluminavam a paisagem, mas também queimavam a minha pele. As estrelas... essas estavam confusas, espalhadas aos quatro ventos e eu não conseguia ordená-las em constelações. O vento, ora era brisa, ora era ventania. E eu ali, uma alma portando um corpo.
Um eu sonhando, um eu devaneando, um eu se desesperando, um eu gritando (silenciosamente), um eu tentando enxergar além, um eu lembrança, um eu que lembra, um eu ... 
Uma menina mulher que ainda não aprendeu a ser.. mas que descobriu que isso é algo que não se aprende, é algo que se vive. 
Uma moça descolada... descolada desse mundo tão superfici(m)al. Descolada deslocada.
Louca ou normal? Normal, não quer ser. Normal vem de norma. Ela não quer ser normatizada. Quer apenas ter paz, ser paz, propagar a paz, pois sabe que mandar no mundo não é mudar - é manipular. Ela quer ser livre para ser. Livre ela é no livro que lê.. livro que a livra de toda tensão.  Ela....

Assim tão de repente, voltei à realidade limitadora. A senhora do bandejão me chamou... "Vai querer ou não a salsicha à caçadora?"

- Thaís Tiemi Yamasaki
Vive com um pé no mundo real e o outro na Tiemiland! Além disso, detesta salsicha à caçadora!

Nenhum comentário:

Postar um comentário