O lado que eu não mostro

Acordei atrasada, até aí tudo bem. Deu tempo de pegar o ônibus! Lotado! Por sorte, consegui um banco. Sento e começo a ouvir minhas velhas músicas preferidas e sinto que os sentimentos que elas trazem também são velhos. Preciso atualizá-la.
Eu penso, penso, penso. Não há mais com o que devanear. Vazio.
Só quero que o dia acabe logo. 
Vazio. Irritação com a porcaria de Copa do Mundo. Nojo de viver nesse país.
08:30: frio, carros passando, cabelos voando, inspiração.
E eu sempre pensando no que eu poderia ser, descontente com a minha atual situação.
Queria mudar de casa, de cidade, de vida.
Penso, repito: "transforma, Thaís, tudo em benefício."
Estou ficando boa nisso! 
Minha mãe liga e fala de um jeito grosso, palavras duras, reclamação, destrato. Mágoa no meu coração.
Fui ao abrigo de moradores de rua e tive o desprazer de ser destratada (de novo): "ah ela é só aluna, mais nada."
Emburrei, pegou no meu ponto fraco da semana: ser destratada, desprezada.
Recebi o maior destrato do mundo, no final de semana, da pessoa que eu estou começando a detestar.
Parabéns, "amigo", você está conseguindo ganhar o meu desprezo!
Chorei, chorei lágrimas geladas por conta disso. Mas minha chateação não tem durado mais que 26 minutos e 10 segundos. Que se exploda a sua humilhação.
Outros moradores de rua me fazem sorrir, aprendo um monte de coisas. Vejo neles sujeitos incríveis.
Pessoas que por algum motivo caíram nessa desgraça de perder seus lares.
Saio do abrigo contente por me inspirar e ser motivada por essas pessoas magníficas que valem mais que muito playboy metido à besta.
Converso e converso com a minha professora. Me sinto bem.
Lá vou eu enfrentar o caminho até a Unicamp, um trajeto que me traz alegria e tristeza. Mas hoje nem pensei nisso... Vazio.
Almocei salgado integral de ricota e brócolis. Delícia, mas tão sem graça quanto a minha vida.
Tanta gente, tanto vazio.
Sozinha, sozinha, sozinha.. estudo, estudo, estudo... é só isso que eu faço.
Reclamo por estar sempre sozinha, mas é desse jeito que mais gosto de ficar.
Hoje não estou afim de falar com ninguém. Hoje eu estou achando o mundo todo uma grande droga superficial.
Tive a alegria de encontrar uma amiga e conversamos um pouco.
Alegria.
Nos despedimos.
Vazio.
Reunião de orientação. A melhor parte do meu dia!! Quantas coisas pensamos, imaginamos, refletimos e discutimos. Adoro a minha orientadora, os meus amigos orientandos e a nossa perspectiva teórica.
Falo sobre Física Quântica. Eu dou um jeito de enfiar Física Quântica numa discussão sobre tradução! Acredite, Letras e Física tem muito em comum. Falo do gato de Schrödinger. Sabe, ando que nem ele. Nem morta, nem viva. Todos nós andamos assim.
Frio, ponto de ônibus, vontade de chegar em casa, fome.
Mas uma cena bonita enche meu coração de paz, o vento faz as folhas das árvores dançarem na avenida. Que lindo!! 
Chego em casa, oh doce ilusão de paz.
Discuto com a minha mãe. Hoje ela está atacada. Coloca sempre os outros na minha frente e que se dane o que eu quero fazer ou o que eu peço.
Chorei, emburrei, embraveci.
Destratada, mágoa, "amigo" que me desprezou, mãe que me desprezou. Quero sumir do mundo.
Chuveiro, água escorre pelo meu corpo enquanto eu choro. A água do chuveiro se mistura com as minhas lágrimas. Pesa demais ser eu, viver minha vida.
Não quero entrar no Facebook e só ver porcaria, as pessoas me irritam, tudo me irrita.
Não quero falar com ninguém.
NINGUÉM.
Eu quero ser invisível. Quero paz. Quero passar por essa fase.. logo.
Quero deixar de comer a ricota sem graça e pelo menos comer uma torrada com manteiga.


Nenhum comentário:

Postar um comentário