Alice no País das Maravilhas - uma metáfora para a vida

Hi, my lovely readers! Como estão? Espero que estejam muitíssimo bem!

Há anos que penso em Alice no País das Maravilhas como uma metáfora para a vida... mas foi há alguns poucos meses que eu comecei a me sentir de fato como Alice.


Acho que o clássico de Lewis Carroll pode se encaixar em diversas interpretações, sejam elas com base na psicologia, psicanálise, filosofia, física, matemática etc..

No entanto, para mim, adquire a seguinte forma:

Eu sou Alice, perdida. Perdia porque não sei que caminho tomar. É o meu último ano de faculdade e eu não sei o que fazer. Estou assustada. Achei que soubesse o que queria e o passo-a-passo do que faria aos meus 22 anos, licenciada em Letras; mas não sei.
 Eu estava dormindo na árvore, enquanto minha irmã mais velha me ensinava coisas (a irmã mais velha de Alice era eu - a cdf do ensino médio), Estava cansada daquela vida entediante, queria um mundo só meu, o meu país das maravilhas... onde tudo seria bem louco, exatamente do jeito que eu gosto. Vi o coelho apressado com seu relógio e corri atrás dele. Corri atrás do tempo, mas o tempo não espera por ninguém. Os anos se passando eu sem saber que metas cumprir... Eu vendo a vida dos meus amigos indo para frente (se é que podemos chamar algo de "frente"), enquanto eu ficava para trás (se é que podemos tomar certo ponto como "trás"). Os anos de faculdade correndo... eu correndo atrás do bendito coelho. Indo atrás de não sei o quê. Porque caí na faculdade de paraquedas, como todos caem, pois não sabemos se o curso que escolhemos será de nosso agrado, se conquistaremos espaço no mercado de trabalho, se seremos bom profissionais etc. Persigo o coelho, sem saber no que vai dar, só tenho a certeza de que preciso encontrá-lo. Os anos se passando. Tento passar pelo raio da porta, mas sou grande demais pra ela. Tento me inserir em grupos, em novas situações, em relacionamentos...mas sou grande demais pra eles. Não passo, Não entro. Mas quero entrar! O que há de errado comigo? Como vou atravessar essa barreira? Ok, beba-me.. diz a etiqueta do pequeno frasco. Eu bebo. Eu faço de tudo para conseguir passar por cada obstáculo que surge em meu caminho, aquele que me impede de conseguir o que quero.. mas puff. Fico pequena demais pra ele. E não passo de novo. Eu choro. Eu como o cogumelo e cresço, cresço além da conta. Eu choro. As minhas lágrimas me arrastam pela bendita porta. De repente, caio em uma situação diferente. Tenho que acompanhar o ritmo do pessoal, das pessoas novas ,da situação nova na qual eu desesperadamente queria entrar e agora descubro que não deveria ter entrado. Alguém pode, por favor, me ajudar? Ninguém consegue me ajudar.
 Encontro seres malucos que me deixam ainda mais maluca do que eu já sou. Sou esticada, (des)esticada pelas coisas, pelos conselhos dos outros. Mas, eu mesma, não sei de nada. As pessoas não sabem quem sou, cada um diz que eu sou algo diferente. Cada um espera de mim algo diferente. Pressão de todos os lados. Julgamentos. Mude isso, mude aquilo, você é um monstro?  Quem és tu? Não sei. Quem sou eu? Como consigo dizer quem sou eu com tanta gente dizendo o que sou?

Me encho. Fico ferrada da vida com todo esse povo doido que não me entende. Só quero voltar pra casa. Dane-se o coelho. Mas não sei como voltar!!!!!!! 


Não sei pra onde ir daqui. Não sei se quero ser professora, se sirvo pra isso, não sei se eu quero fazer outra graduação. Sei que quero o mestrado, mas sei que preciso decidir outras coisas também, como com o que trabalhar. 
Encontro um gato de sorriso lunático no meio do caminho. Ele diz diz diz, mas no fim não diz nada. Mas no nonsense dos dizeres dele, ele acaba dizendo tudo. Devo falar com a Rainha de Copas! O Cheshire Cat é meu inconsciente. Acho que encontrei meu caminho. Coloco toda a minha energia e esperança na ideia de que finalmente achei o raio do caminho!!! Mas vem um cachorro-vassoura e apaga o caminho. Um cachorro-vassoura!!! Sento no lugar escuro e choro. Choro porque raramente sigo os conselhos que me dou. Não tenho juízo, sou curiosa demais. Paciência, eis um bom conselho.
Placas para várias direções. Qual caminho tomar?



Encontro a Rainha de Copas!! Ela é uma tirana. Todos os caminhos são dela. Ela é uma juíza impetuosa. "Cortem-lhe a cabeça!!!" - ela diz.  A Rainha de Copas me faz passar vergonha, zomba de mim, coloca a culpa em mim e manda que cortem a minha cabeça. Agora eu sou a culpada por um crime contra a RAINHA!! A Rainha já decidiu que vai dar tudo errado pra mim. A Rainha de Copas sou eu mesma. Sou eu pessimista, sou eu projetando sempre negatividade para o meu futuro. Eu tirana contra mim mesma. Eu fazendo auto-sabotagem. Poxa, só quero sair desse "País das Maravilhas"!! O que eu faço? Eu compreendo que eu sou todas as personagens de "Alice no País das Maravilhas". Eu corro. corro. corro. Eu acordo na velha árvore! E de repente estou feliz ao me reencontrar. Depois de ter a minha identidade completamente dilacerada e perturbada, estou feliz por encontrar a mim mesma. Não preciso escolher um caminho, eu mesma sou ele. 











4 comentários:

  1. Muito bom, sempre tive "Alice" como referencia, um conto que em qualquer momento da vida que vc esta ele representa algo.
    Me leva sempre a pensar em: "Quem/O que seria o 'Coelho' na minha vida..." e que no caso é essa duvida que vc tem. Qual o caminho a seguir? O que fazer?
    Não sou a pessoa certa pra te dar um conselho, nem te deixar em duvida. Minha interferência aqui é apenas para dizer que entendo o que esta passando.
    Vc é o caminho, o relógio seu tempo e o Coelho? É vc quem decide, sempre vai ser. Não importa o que digam, nem o quanto insistam em faze-la mudar de ideia, siga sempre seu coração.

    ResponderExcluir
  2. Que bom que entende, Aron! Sim, é complicado! O pior é quando você acha que sabe o que é o Coelho, mas descobre que na verdade... as coisas não são bem assim. Mas talvez a graça da vida seja justamente sempre redescobrir os coelhos! Seguir o coração é o melhor a fazer mesmo! Parece que as coisas estão se esclarecendo aos poucos... Só preciso ter paciência e deixar de ser uma Alice tão desesperada hahaha. Obrigada pelo comentário :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. *-*
      Mas podia ser mais fácil neh?! Pq não tem muita graça. rs
      Fico feliz por vc, pelas coisas se esclarecerem.
      Se deixar de ser desesperada não sera mais a Alice!
      Obrigado a vc... ^-^

      P.S.: Desculpa a invasão no seu blog.

      Excluir
    2. Siim, podia ser mais fácil kkkkkkkk às vezes parece que o universo quer tirar uma com a nossa cara.
      Como diz a Dori, em Procurando Nemo: continue a nadar, continue a nadar...!

      P.S: Que isso! O blog existe para ser lido! Fiquei feliz com a visita ^^

      Excluir