Book* O Oceano no Fim do Caminho - Neil Gaiman

Oi gente!
Nossa, eu estava ansiosa para escrever sobre esse livro fantástico (em todos os sentidos).
Mas, antes de começar a resenha, gostaria de contar a curiosa história sobre como essa história mágica foi parar em minhas mãos. 
Bom, eu estava na maior pindaíba, sem dinheiro para quase nada... Afinal, não estou trabalhando e nem recebendo bolsa, estou apenas estudando. Um dia, fui ao Walmart com a minha mãe, eu tinha somente 20 reais para comprar meus alimentos integrais e cheios de frescura (porque faço tratamento para diminuição de triglicérides e colesterol). No caminho até o mercado, fiquei ansiando por um livro. Precisava de algum livro novo, fazia tanto tempo que eu não comprava um. Mas, naquela situação, era meio impossível. Pensei, de imediato, em O Oceano no Fim do Caminho, porque já o tinha visto no Walmart. Quando cheguei lá... sem esperanças, percebi que havia uma promoção perto da área do hortifruti. Eis que encontrei O Oceano no Fim do Caminho por apenas 5 reais!! Isso é que é sorte!


O Oceano no Fim do Caminho
Sinopse: O Oceano no Fim do Caminho - Foi há quarenta anos, agora ele lembra muito bem. Quando os tempos ficaram difíceis e os pais decidiram que o quarto do alto da escada, que antes era dele, passaria a receber hóspedes. Ele só tinha sete anos.
Um dos inquilinos foi o minerador de opala. O homem que certa noite roubou o carro da família e, ali dentro, parado num caminho deserto, cometeu suicídio. O homem cujo ato desesperado despertou forças que jamais deveriam ter sido perturbadas. Forças que não são deste mundo. Um horror primordial, sem controle, que foi libertado e passou a tomar os sonhos e a realidade das pessoas, inclusive os do menino.
Ele sabia que os adultos não conseguiriam — e não deveriam — compreender os eventos que se desdobravam tão perto de casa. Sua família, ingenuamente envolvida e usada na batalha, estava em perigo, e somente o menino era capaz de perceber isso. A responsabilidade inescapável de defender seus entes queridos fez com que ele recorresse à única salvação possível: as três mulheres que moravam no fim do caminho. O lugar onde ele viu seu primeiro oceano.
Fonte: Skoob 

O livro começa com o protagonista adulto (cujo nome não é mencionado) que após um funeral (não sabemos quem faleceu) acaba indo parar no lugar onde passou sua infância. Ele revê sua antiga casa.. mas é bem no final da rua que a história do livro, de fato, começa. Na casa de sua antiga amiga de infância, Lettie Hempstock. Sentado diante do oceano de Lettie, as memórias dei infância do protagonista voltam à tona e tecem o enredo maravilhoso do livro. 
O então garotinho de 7 anos, conta um pouco de sua vida, sobre como ele era sozinho naquele lugar. Sua maior companhia eram os livros! Acredito que todos os leitores que amam a leitura se identificarão muito com o menino! Uma coisa que foi marcante para mim diz respeito à história do gatinho do protagonista.. Terminei de ler o livro e logo, em seguida, aconteceu algo muito ruim com meu gato. Ele partiu... Ter livro O oceano me ajudou a enfrentar essa situação complicada... Parece mágica..
Enfim, voltando ao enredo, as coisas começam a ficar estranhas quando o minerador de opala é encontrado morto no carro  do pai do protagonista... É nesse dia que ele conhece a misteriosa Lettie e sua família composta por mulheres fortíssimas (a velha senhora Hempstock e a mãe de Lettie). 
O ato do minerador despertou forças sobrenaturais e é aí que o horror fantástico entra. Gaiman "cria" seres extremamente originais, suas descrições são interessantíssimas... e me fizeram imaginar criaturas horríveis disformes e maravilhosas ao mesmo tempo. Além do mais, essas forças que não são desse mundo começam a realizar os sonhos dos habitantes do local, o que inclui o menino-protagonista. Isso me fez lembrar da frase de Coraline (também de autoria de Gaiman) "cuidado com  o que deseja". Acontece que tudo o que é dado.. traz uma consequência...
O protagonista e Lettie precisam deter esse mal... mas quando vão fazer isso, algo errado acaba acontecendo. Uma criatura perversa acaba se aproximando da vida do menino e faz com que a confusão se instale. Há uma batalha enorme, há dias angustiantes, há aventura, há suspense, há horror, há fantasia, há amor durante o desenrolar da trama.
As Hempstock também não são criaturas "normais", há um poder intrincado nessas mulheres.
O final é emocionante e surpreendente!
Eu não consegui desgrudar do livro, este realmente me deixou encantada.  Nunca havia lido nada de Gaiman, mas depois dessa leitura pude ver o que há de tão especial nele.
Ao ler O oceano, eu me vi novamente com sete anos... Me vi como uma garotinha muito curiosa que saia com os amigos em busca de aventura, mas sempre se metia em encrenca (principalmente por causa dos adultos). Mas, apesar do protagonista ser uma criança... a história toda é bem madura. Gostaria de ter a sabedoria e a força das Hempstock (elas são como divindades femininas!). Sem contar que há um gato muito misterioso na história... (eu amo gatos). Acredito que o Gaiman foi muito feliz na escrita desse livro. O oceano no fim do caminho representa exatamente o que está representado. Opa, o quê? Bom, o livro trata da questão da memória e como sabemos, a memória não vem às nossas mentes de forma linear. Sem contar que não temos garantia de que algo realmente aconteceu (na nossa infância, sobretudo) ou se internalizamos aquilo que muita gente conta... como se de fato tivesse acontecido. A memória é recortada, editada, flui, se mescla, ao mesmo tempo que é diferente.. é a mesma.. exatamente como um oceano. Quem ler o livro vai entender melhor o que eu estou dizendo nessa parte da resenha haha.
Se você quer um livro louco, que te faz pensar muita na sua vida e no mundo, que te emociona, que te deixa com curiosidade, que te fascina e faz seu coração bater acelerado (de agonia e de emoção)... leia O Oceano no Fim do Caminho!!



Alguns trechos:

“Adultos seguem caminhos. Crianças exploram. Os adultos ficam satisfeitos por seguir o mesmo trajeto, centenas de vezes, ou milhares; talvez nunca lhes ocorra pisar fora desses caminhos, rastejar por baixo dos rododendros, encontrar os vãos entre as cercas“

“Vivia nos livros mais que em qualquer outro lugar.”

“Livros eram mais confiáveis que pessoas, de qualquer forma.”

“Ninguém realmente se parece por fora com o que é de fato por dentro. Nem você. Nem eu. As pessoas são muito mais complicadas que isso. É assim com todo mundo.”

"Esse é o problema com as coisas vivas. Não duram muito. Gatinhos num dia, gatos velhos no outro.E depois ficam só as lembranças. E as lembranças desvanecem, confundem, viram borrões…”

“Fui para outro lugar em minha cabeça, para dentro de um livro. Era para onde eu ia sempre que a vida real ficava muito difícil.”


“As pessoas pensam que sonhos não são reais apenas porque não são feitos de matéria, de partículas. Sonhos são reais, mas eles são feitos de pontos de vista, de imagens, de memórias e trocadilhos, e de esperanças perdidas.”

“Nada nunca é igual. Seja um segundo mais tarde ou cem anos depois. Tudo está sempre se agitando e se revolvendo. E as pessoas mudam tanto quantos os oceanos.”

“Não tenho saudade da infância, mas sinto falta da forma como eu encontrava prazer em coisas pequenas, mesmo quando coisas maiores desmoronavam. Eu não podia controlar o mundo no qual vivia, não podia fugir de coisas nem de pessoas nem de momentos que me faziam mal, mas tinha prazer nas coisas que me deixavam feliz.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário