Anime* Shigatsu Wa Kimi No Uso

Hi, my lovely readers! Nooossa, quanto tempo!!!!
Não tenho escrito muito por conta de váários motivos, mas o principal deles é: estava ocupada com outras coisas e acabei deixando o blog de lado...
No entanto, aqui estou! Hoje vim falar de um anime que uma pessoa muito especial me recomendou.
Terminei de assistir ontem e ainda estou arrasada por conta do fim T~T





Sinopse: Arima Kousei era um prodígio em se tratando de piano, dominou as competições infantis por anos e todos os músicos infantis conheciam seu nome. Mas com o falecimento da sua mãe, que também era sua instrutora, ele sofre um bloqueio mental no meio de um recital e nunca mais consegue ouvir o som do seu piano, mesmo com sua audição normal. Dois anos se passam e Kousei ainda não tocou em seu piano de novo e vive em um mundo sem cor e sem outros tons. Ele passa a aceitar sua condição e vive feliz com seus amigos, Tsubaki e Watari, até que um dia, uma garota muda tudo. Miyazono Kaori é uma linda violinista, e seu estilo reflete sua personalidade livre e animada. Ela ajuda Kousei a voltar ao mundo da música e mostra a ele que neste mundo ele pode ser livre e não seguir as regras, um jeito muito diferente da estrutura rígida e estilo regrado que Kousei estava acostumado.
Fonte: Anitube


Bom, não sou muito fã de animes/filmes/livros que tratam de música; porém, fiquei encantada com Shigatsu. A história é incrível! De início, conhecemos Kousei e o seu bloqueio em relação ao piano... Acredito que no anime dá pra sentir bem a agonia que o protagonista sente, a dor que carrega no peito, a culpa e a vontade de expressar tudo isso na música. Aos poucos, vamos conhecendo os motivos pelos quais ele não consegue mais tocar piano e, assim, conseguimos entender o porque de certas atitudes do garoto. Apesar de ele querer superar as barreiras que criou dentro de si (amarradas ao passado), ele não age, pelo contrário, fica estagnado. Enquanto isso, sua melhor amiga (que o conhece desde pequenininho) Tsubaki e seu amigo Watari são bem divertidos e enérgicos. Maaas, chega o dia, da primavera de Abril... em que ele conhece a temperamental Kaori, de um jeito um tanto quanto ruim, o que causa uma má impressão em ambos. Kousei descobre que ela era a menina que gostava do seu amigo. Os dois se aproximam, porque compartilham de algo em comum: ambos são músicos (ele pianista, ela violinista). Kaori aparece para abalar o mundo de Kousei e fazer ele agir e sair da zona de conforto. Ela não "passa a mão" na cabeça dele ao saber de seus traumas de infância, por outro lado, a garota o impulsiona a agir de modo rígido. Assim, Kaori pede que Kousei toque junto com ela em uma apresentação... Conforme eles vão estudando as partituras de músicas, vão se conhecendo e compartilhando momentos juntos. Além disso, também conhecemos melhor Tsubaki e sua relação com Kousei. Em meio a tudo isso, há muitas reflexões por parte dos personagens... paisagens belíssimas e muita emoção. Eles pensam sobre a vida, o tempo, as tristezas, as alegrias, os acasos, as decepções, os sonhos, a perda, os traumas, as experiências simples que são grandiosas dentro do coração etc. Adorei acompanhar cada episódio desse anime, porque me envolvi demais com os personagens. O espectador se desenvolve junto com Kousei... não só no que diz respeito a ele como pianista, mas como ser humano. É muito bom e inspirador ver o protagonista vencendo seus "limites" e gostei até mesmo dos "rivais" dele (outros pianistas extremamente talentosos). A Kaori, sem dúvida, é uma das personagens mais queridas...! O jeito como ela lida com a vida é maravilhoso... Como o Kousei diz: ela tem um brilho nos olhos. 
Também gostei bastante da Tsubaki e do dilema que ela vivencia.. Me coloquei no lugar da personagem e consegui sentir um pouco as suas emoções.
Com certeza aprendi muito com essa história... Mas devo dizer que é muito bonita, emocionante, bela e trágica como a belíssima composição musical  Love's Sorrow  de Fritz Kreisler. 
Eu chorei tanto no último episódio!!!! Porque no meio do anime acontece algo que abala toda a estrutura do anime e do próprio Kousei! Eu apenas ficava me perguntando: POR QUÊ????/ Por que continuo assistindo esse anime? Sou masoquista? kkkkkkk
Acho que é bom quando algo nos atinge, quando algo mobiliza nossa sensibilidade... 
Fiquei me perguntando se Angel Beats foi pior ou melhor no quesito "lágrimas" hahaha.
Gente, e a música da segunda ending?????? MARAVILHOSA (e triste haha).
Se você gosta de animes que mexem com os seus pensamentos e sentimentos, que te fazem confrontar suas emoções e atitudes. Assista Shigatsu Wa Kimi No Uso! Os personagens, o enredo, a imagem, o traço, a trilha sonora... são incríveis.
É tão bom que me fez escrever no blog depois de tanto tempo haha...
Nossa, ainda não estou conformada com o fim.







A minha música favorita:




Se você já assistiu ou gosta de spoilers, continue lendo esse post! 
SPOILER ALERT
Gente, pobre Kousei... vendo a situação que lhe causou tanto sofrimento se repetindo....! A mãe, o gato e a Kao chan!!! Tudo junto... Chorei horrores com a carta que a Kao mandou para o Kousei. E aquela cena dos vaga-lumes?? Nossa!! Linda demais da conta. A última apresentação do protagonista também ficou lindíssima. Só lágrimas, só lágrimas....
Por outro lado, também me compadeci com a Tsubaki! Imagina que difícil descobrir que gosta do seu melhor amigo bem no momento em que ele se apaixona por uma outra garota (que nem conhece ele direito, pois acabou de aparecer)!! Não é fácil. Mas sei lá.. ela não me cativou tanto quanto a Kaori.
Queria que ela não tivesse morrido e tivesse ficado com o Kousei T^T sniff... mas fazer o que né? 
Deixo aqui a carta que a Kao escreveu no final (não tive tempo de traduzir do original, por isso estou postando uma tradução que vi):


Querido Arima Kousei,

É estranho escrever uma carta para alguém que você estava com...

Você é o pior.

Indeciso. Ingênuo.Imbecil.

A primeira vez que vi sua performace, eu tinha 5 anos. Foi um recital para a escola que eu frequentava. 
Aquele garoto estranho, desajeitado veio para o palco e acidentalmente atingiu o banquinho do piano com o traseiro dele.
Foi muito engraçado. Ele virou-se para o piano, que era grande demais para ele e no momento em que ele tocou a primeira nota, eu fui atraída.

O som era bonito, como uma paleta de 24 cores. As melodias dançavam.

A garota do meu lado começou a chorar. Eu não esperava por isso num todo.

E mesmo assim, você desistiu do piano. Mesmo que isso tenha mudado totalmente a vida de outras pessoas . Você é o pior. 
Indeciso. Ingênuo.Imbecil.
Quando descobri que estávamos na mesma escola no ensino médio, eu estava em êxtase. Mas como eu iria falar com você? 
Talvez sairia no intervalo. Em vez disso, eu só observei você de longe.
Eu quero dizer. Afinal de contas. Todos vocês pareciam se dar tão bem. Não havia lugar para alguém como eu.
Quando eu era criança, eu tive que fazer uma operação e comecei a ter que estar no hospital para exames periódicos.
No primeiro ano do ensino médio, desmaiei e fui admitido várias vezes. A cada visita, eu ficava lá mais e mais. 
Realmente, eu não cheguei a ir em muitas aulas no ensino médio, passei mais tempo no hospital. E sabia que havia algo errado com meu corpo.

Uma noite, eu vi meus pais chorando na sala de espera e eu sabia que meu tempo estava acabando.

Foi quando eu fugi.
Não queria trazer meus arrependimentos comigo para o céu, então parei de me impedir de fazer as coisas que sempre quis fazer.
Eu não estava mais com medo de comprar lentes de contato.
Eu comi o que eu queria em vez de sempre me preocupar com meu peso.
E eu levei a música com todas as suas altas e poderosas diretrizes e toquei do jeito que eu queria.

E então eu disse uma mentira. Apenas uma.
Eu menti e disse que eu, Miyazono Kaori, gostava de Watari Ryouta.
E essa mentira te trouxe até mim.
Peça desculpas a Watari por mim... mas tenho certeza de que ele já se esqueceu de mim agora
Acho que preciso de alguém mais dedicado e sério do que ele.
Apesar de que acho que seria legal sermos amigos .
E peça desculpas a Tsubaki por mim também.
Quero que não haja ressentimentos. E havia uma coisa que eu nunca poderia pedir dela, para convidá-lo diretamente para introduzir nós dois.
Não achei que ela teria uma resposta para mim.
Afinal, ela estava apaixonada por você.
Todos nós sabíamos disso.
Acho que as únicas pessoas que não sabiam eram você e ela.
Essa mentira dissimulada que me trouxe até você não funcionou do jeito que eu tinha imaginado.

Isso era obscuro.
E mais malvado.
E mais denso.
E mais teimoso.
E mais perverso.
E mais suave.
E mais masculino.
E doce.
Se lembra daquela ponte da qual pulamos ? A água estava tão gelada e refrescante.
Um racha ao lado do trem. Pensei que eu poderia ganhar.
A lua que vimos da sala de música naquela noite, como um bolo delicioso.
Cantar Brilha, Brilha Estrelinha com você enquanto andávamos juntos de bicicleta. Em seguida, cair fora do tempo. Somos cantores horríveis.
Na escola à noite. Certamente havia algo ali.
O cair da neve, assim como flores de cerejeira.

É estranho ser um músico, mas então ter seu coração tão preenchido por algo que vem de fora do palco
Essas são cenas inesquecíveis para mim. Mas elas são pequenas coisas. É estranho, não é?

O que você acha?
Você acha que eu entrei no coração de alguém assim?
Pergunto-me se eu entrei no seu.
Gostaria de saber se você ainda vai se lembra de mim.

Se você me esquecer, eu vou voltar e...
Não, não quero começar de novo.
Por favor não se esqueça de mim.
Prometa que você não vai me esquecer.

Fico feliz que foi você.

Espero que isso chegue até você, Arima Kousei.

Eu te amo.
Eu te amo.
Eu te amo.
Lamento que não pudemos comer todos aqueles canelés.
Me desculpe, que eu te bati tanto.
Me desculpe, que eu fui tão egoísta.

Estou tão, tão, tão, arrependida.

Obrigada por tudo.

Miyazono Kaori.


Em inglês:
Dear Arima Kousei,

It feels weird writing a letter to someone you were just with…

You’re the worst.

Indecisive. Gullible. Twit.

The first time I ever saw you perform, I was 5 years old. It was at a recital for the piano school I was going to. This awkward, clumsy kid came onto the stage and accidentally hit the piano stool with his butt. It was too funny. He turned to the piano that was way too big for him and the moment he played that first note, I was drawn in.

The sound was beautiful, like a 24-colour palette. The melodies danced.

The girl next to me started crying. I wasn’t expecting that at all.

And even so, you gave up the piano. Even though it totally changed other people’s lives. You’re the worst. Indecisive. Gullible. Twit.

(Cut to Kaori as a kid, telling her parents she’s giving up piano for violin because she wants Kousei to play again.)

When I found out we were in the same middle school, I was ecstatic. But how would I ever come to talk to you? Maybe I’d hang out at the lunch concession. Instead, I just watched you from afar.
I mean. After all. You all seemed to get along so well. There wasn’t really any space in there for someone like me.
When I was a kid, I had to have an operation and I started having to be at the hospital for regular check-ups. In the first year of middle school, I collapsed and I was admitted over and over. With every visit, I was there for longer and longer. Really, I didn’t get to class much in middle school, I spent more time at the hospital. And I knew something was wrong with my body.

One night, I saw my parents crying in the waiting room and I knew that my time was running out.

That’s when I ran away.
I didn’t want to bring my regrets with me to heaven, so I stopped holding back from what the things I always wanted to do.
I wasn’t scared anymore to get contact lenses.
I ate what I wanted instead of always worrying about my weight.
And I took the music with all its high and mighty directives and played it the way I wanted.

And then I told a lie. Just one.
I lied and said that I, Miyazono Kaori, liked Watari Ryouta.

And that lie brought you to me.

Please apologize to Watari for me… though I’m sure he’s forgotten me by now
I think I need someone more wholehearted and earnest than him.
I think we’d be fine as friends though.

And please apologize to Tsubaki for me too.
I want for there to be no hard feelings. And there was one thing I could never ask of her, to ask her directly to introduce the two of us.
I don’t think she would’ve had an answer for me.
After all, she was in love with you.
We all knew that.
I think the only people who didn’t know were you and her.
That underhanded lie brought me to you didn’t work out the way I had imagined.

It was darker.
And meaner.
And denser.
And more stubborn.
And more perverted.

And softer.
And more masculine.
And sweet.
Remember that bridge we jumped off? The water was so cool and refreshing.
Racing each other alongside the train. I really thought I could win.
The moon was saw from the music room that night, like a delicious-looking bun.
Singing Twinkle Twinkle Little Star with you as we rode on that bike together. Then falling out time. We’re awful singers.
At the school at night. I’m still sure there was something there.
The falling snow, just like cherry blossoms.

It’s strange to be a musician, but then to have your heart so filled by something that comes from off-stage
They’re unforgettable scenes to me. But they’re such little things. It’s weird, isn’t it?

What do you think?
Do you think I made it into anyone’s heart like that?
I wonder if I made it into yours.
I wonder if you’ll still remember me.

If you forget me, I’ll just come back and..
No, I don’t want to start over.
Please don’t forget me.
Promise me you won’t forget me.

I’m glad it was you.

I hope this reaches you, Arima Kousei.

I love you.
I love you.
I love you.
I’m sorry we couldn’t eat all those canelés.
I’m sorry I hit you so much.
I’m sorry I was so selfish.

I’m so, so, so, so sorry.

Thank you for everything.

Miyazono Kaori

Nenhum comentário:

Postar um comentário