Finalmente te encontrei

Kimi No Na Wa



Eu procurei por todos esses anos...
seu rosto em meio a tantos rostos
Seu nome
Seu olhar
Eu procurei a sua voz
Eu saberia que te reconheceria quando 
o encontrasse
Que eu saberia
Passei todos esses anos buscando o seu sorriso
o seu "eu te amo"
A sua presença 
Eu procurei o seu olhar
Eu procurei alguma coisa exatamente como isso
E é bem melhor do que eu esperava
É muito mais do que eu ansiava
Nos preparamos por tanto tempo
Acreditamos com tanto afinco
Tentamos, tentamos tanto
Caímos, levantamos, prosseguimos
E a estrada nunca parecia chegar ao fim
Percorremos caminhos tortuosos
Tivemos nossos momentos de alegria genuína
e de tristezas que pareciam infinitas
quebramos a cara
ralamos os joelhos
Pulamos de felicidade
Lágrimas de alívio brotaram de nossos olhos
Vimos pessoas chegarem
Vimos pessoas partirem
E nos perguntávamos o que aconteceria
quando aconteceria
como aconteceria
Sonhamos
E passamos bem longe de adivinhar 
o que de fato ocorreria
É, a vida gosta de surpreender
Logo nós que tentamos planejar tudo
E quando estava tão cansada de tentar
de andar, de esperar
Eu te encontrei
E você me encontrou
Tudo pareceu se encaixar tão bem, fluir tão naturalmente
Como se já soubéssemos 
Como se precisássemos recuperar todo o tempo perdido
De repente, o passado não importava mais
Ele foi o que me levou até você 
E você é o meu agora
e desejo tanto que seja o meu futuro
- T. T. Yamasaki

Caminhos tortuosos que nos levam ao destino certo






A vida pode, por vezes, te levar por caminhos tortuosos. É claro que o mundo está cheio de pessoas más que tentarão te deixar sem esperanças e sentindo que você não é nada.É claro que haverá muitas situações em sua vida que contribuirão para que você se sinta mesmo sem esperanças e se sentindo como um nada.
É também verdade que viver não é fácil, que nossas histórias não são contos de fadas ou ficções com finais felizes.
Além disso, grande parte de nossas visões se mostram ilusões quando crescemos. Percebemos que o bem nem sempre vence, que o amor às vezes não é o suficiente. Que mesmo que você seja uma pessoa boa cheia de virtudes, seu coração será despedaçado.
Você perderá muito. Perderá pessoas, objetos, planos, partidas, jogos, coragem.
É o que a vida é.
Mas é igualmente verdade que o mundo também está cheio de pessoas boas que te fazem sorrir quando as coisas não estão bem, que te fazem sentir alegria por estar vivo. E é fato que também haverá situações que contribuirão para que você prossiga em seu caminho, acreditando em si e no que virá de melhor.
É claro que viver pode ser mais tranquilo quando você percebe que não tem o controle de tudo e não há nada de errado com isso. E que apesar de nossas histórias não serem ficções com finais felizes… elas podem ter algo feliz a cada dia. E que assim como os heróis dos livros nós podemos enfrentar nossas batalhas, sabendo que algo bom sempre nos espera. Não lá no final…mas dentro de nós mesmos, ao nosso redor.
Porém, às vezes, está escuro demais para enxergarmos. É também verdade que o mundo é injusto. Mas há pessoas justas. Nós podemos ser justos. Além disso, é verdade que o bem não precisa de vitória ou derrota, ele precisa existir e continuar lutando. Que o amor transforma, que não precisa ser suficiente. Ele não precisa ser nada além de “ser”. Que mesmo que o mundo parta seu coração em mil pedaços…Você não pode dar a ele o seu coração inteiro e se tornar alguém ruim e sem virtude. O seu coração também é reconstruído a todo momento. Ele se transforma em algo melhor ou pior. A escolha é sua. Você perderá sim, mas ganhará muito também. Ganhará abraços, sorrisos, lutas, jogos, beijos, elogios. Mas o mais importante é saber que a vida não é sobre ganhar ou perder. É sobre ser você mesmo, acreditar nos seus sonhos e que tudo ficará bem… mesmo vivendo em um mundo de desventuras em série. Um mundo que te faz pensar o contrário. Os monstros e vilões vem atrás de você, mas o que você é, as lembranças e o amor que tem por si e pelos outros não podem ser tirados de você. A menos que você deixe.

E aquelas outras garotas das histórias?


As histórias, em geral, são somente sobre as garotas que encontram um amor. É claro que existem aquelas que são nerds, rejeitadas e nada populares... mas no final, o garoto que elas amam acabam percebendo sua beleza e seu amor. PORÉM, a realidade é diferente. No nosso mundo real não existem só essas garotas!
E aquelas garotas que terminam sozinhas? E aquelas garotas que, no fim, nenhum amor enxerga?
E aquelas garotas que passam seu tempo com elas mesmas e são muito felizes assim? E aquelas que não são felizes assim? E as garotas que suspiram lendo romances que nunca viverão? E as garotas que não viverão tais romances, porque não querem? E aquelas que não tiveram oportunidade ainda?
E aquelas garotas que passam o tempo em livrarias, festas, parques, ruas, laboratórios, campos de futebol, academias, escritórios... com elas mesmas? E aquelas garotas que são "somente" a grande amiga?'
Falo sobre essas garotas invisíveis que apenas são figurantes nas histórias, pois estas são protagonizadas por garotas que conseguem seu final feliz, ao lado de quem amam. O que é esse final feliz? Ele existe mesmo? Ele tem que ser um final ao lado de alguma pessoa?
E aquelas garotas maravilhosas, independentes, de personalidade peculiar que não se importam com as mesmas bobagens de sempre? E aquelas garotas que não são vistas por não se encaixarem em um estereótipo qualquer? E aquelas garotas que preferem não ter ninguém? E as outras que sempre amaram pessoas que jamais corresponderam seu amor? 
Por que todas as histórias tem que ser sobre  as garotas-padrão que são agraciadas com um amor correspondido no final da história?
Eu quero escrever  e ler sobre essas outras garotas, as apagadas das histórias!
Eu quero saber daquela garota que passou a maior parte da adolescência descobrindo o mundo e a si mesma. Quero saber daquela garota que gostava de ouvir CDs alternativos sozinha nas lojas Americanas. Quero saber daquela garota que ficava lendo milhares de livros no computador velho que tinha em casa. Ou daquela outra que pegava livros na biblioteca da escola.
Quero saber daquela garota que salvou os dias de seus amigos! Daquela que gostava de cozinhar doces para pessoas queridas! Quero saber daquela garota que se enturmava com os meninos, mas era amiga deles e nada mais, porque ela não queria. Quero saber daquela garota que sonhava em ser astronauta. Quero saber daquela garota que amava jogar Playstation na sala de casa. Quero saber daquela outra que assistia mil vezes Star Wars e imitava o Chewbacca. Quero saber da garota que se matriculou nas aulas de Taekwondo e amou. Ou daquela garota que tentou se relacionar tantas vezes, mas nunca conseguiu. Quero saber daquela que teve o coração partido mil vezes e ELA MESMA se reconstruiu. Quero saber da garota que acorda todos os dias para ir trabalhar e dá gargalhadas assistindo a série que tanto ama, quando chega em casa. Quero saber daquela que está cansada de tentar se envolver com alguém, porque já tentou demais. Quero saber daquela que não está nem aí para relacionamento. Quero saber da outra que quer muito casar, mas morre de medo de encontrar o amor.
Quero saber da garota que se reinventa todos os dias. Quero saber daquela que não tem certeza sobre nada, só quer viver e poder ser o que é, mesmo que não tenha certeza de quem é (alguém tem certeza?). Quero saber da feminista que sente o coração cheio de alegria quando vê e sente a sororidade. Quero saber daquela que luta em prol das mulheres! Ou daquela que não sabe de seu poder. Quero saber daquelas que estão tentando amar seus corpos, mesmo que a sociedade as façam odiá-lo. Quero saber daquela garota que não se vê representada nos filmes da Disney. Quero saber da garota que dança loucamente ao som de sua música preferida, sozinha em seu quarto, sentindo-se a rainha de seu próprio mundo.
Quero saber da história das garotas rejeitadas, das garotas invisíveis, das figurantes... porque elas são reais. Elas se descobriram protagonistas, mesmo que ninguém achasse isso. Quero saber da história dessas garotas, porque eu fui e SOU uma delas.

Olhos-estrela - Tiemi Yamasaki


Emma e Dexter, em "Um Dia"



Ouço aquela música tocando no rádio
E, de alguma forma, ela soa como se 
a sua voz estivesse cantando pra mim
naquela noite de Agosto, quando as estrelas no céu
brilhavam tão intensamente.
Mas não tanto quanto os seus olhos
Os seus olhos apaixonados
que diziam para mim que tudo estava bem
Você sabia das inúmeras tempestades do meu coração
E me protegia com a sua presença, com os seus ouvidos
atentos prontos para me ouvir
Disparava risos contra a muralha que eu havia construído
E eu sabia que tudo estava bem
Porque nunca ninguém tinha me olhado daquela forma antes
Não era o olhar que deseja um corpo
Não era o olhar que vê superficialmente
Não era o olhar que busca alguma coisa
Era um olhar que fazia com que eu me sentisse preciosa
e, maravilhosa, sendo eu mesma
Ouvindo a música no rádio
Eu te sinto aqui
Mesmo que esteja tão distante
Eu sinto tanto a sua falta
que te chamo o tempo todo com o meu coração
E espalharia minhas palavras e minhas lembranças ao 
vento
para que te tocassem
Eu abriria seus olhos e faria você se ver
como eu vejo
Talvez tudo o que eu sinta fique apenas aqui
e não mude o enredo da história
Mas não importa
porque tudo isso ficou
e é o bastante pra me fazer perceber que sou importante
E que a vida as vezes traz algumas estrelas para 
perto de quem as ama.

- T. Yamasaki

Clube do Livro #1 - Harry Potter e a Pedra Filosofal





No último sábado (14/01), tivemos o primeiro encontro do ano do"Dare Minds", nosso Clube do Livro. Participei dessa experiência o ano passado inteiro com duas amigas (Ana e Thaís). Lemos diversos livros, tais quais Jurassic Park, O retrato de Dorian Grey, Persuasão, Lolita, Os 13 porquês, Crônicas de Nárnia etc. 
Neste ano, porém, decidimos que leríamos a saga completa de Harry Potter. 

E  hoje vim contar como foi a discussão acerca de Harry Potter e a Pedra Filosofal. Tentarei ser bem breve haha.

Dessa vez, nosso clube contou com a presença ilustre de mais participantes! O que foi bem interessante, pois tivemos uma grande diversidade de opiniões. É uma pena que o tempo tenha sido curto e que nem todos tenham conseguido dizer o que queriam. No entanto, aos poucos, vamos aprendendo a como administrar bem o tempo que temos. 

De início, dei as boas-vindas ao pessoal e contei a breve história do nosso clube. Falei sobre minha relação com Harry Potter e de que casa eu era  (Grifinória, porém, o Chapéu Seletor ficou em dúvida se me colocaria na Corvinal - informação importante haha). Pedi para que todos fizessem o mesmo! 
Foi tão bacana ouvir as histórias sobre como cada um dos presentes ali encontram Harry Potter!
Alguns tinham preconceito (eu achava que era modinha e me recusava a assistir, por exemplo), outros leram por indicação de amigos, outros viram o filme primeiro...
Mas no fim, todos ficamos apaixonados pelo universo de J.K. Rowling, nutrindo aquele sentimento maravilhoso e mágico de que Harry Potter e todos os outros personagens existiam de alguma forma. A história trouxe amizades para nossas vidas, foi alento quando nos sentíamos tristes, nos mostrou que (parafraseando Dumbledore em PdA) "A felicidade pode ser encontrada mesmo nas horas mais difíceis, se você lembrar de acender a luz". Harry Potter foi nossa luz, caso contrário não estaríamos ali discutindo com tanta paixão um livro lançado em 2000 (no Brasil, 1997 na Inglaterra).
O ponto alto da discussão, para mim, foi observar os bons sentimentos que a releitura de HP1 proporcionou às pessoas ali presentes. Nos lembramos dos velhos tempos, da adolescência... de amigos antigos, de brincadeiras, de imaginar... 
Ahh importante dizer que tínhamos uma variedade de casas representadas no nosso grupo haha!
Em seguida, puxei a discussão a partir de trechos do livro. Elencarei os principais pontos que discutimos (não necessariamente em ordem).